Um dos bairros nobres mais queridos de São Paulo, o Pacaembu foi um ambicioso projeto arquitetônico da empresa inglesa City of São Paulo Improvements and Freehold Company Limited (Cia City) que por pouco não saiu do papel.

O projeto foi inicialmente embargado pela Câmara Municipal, o que atrasou um pouco o início de seu loteamento. Após este percalço inicial ser resolvido a empresa retoma os trabalhos de urbanização no ano de 1925. Os terrenos haviam sido adquiridos no ano de 1912.

Mesmo passado quase um século de seu início, o Pacaembu até hoje é um bairro tranquilo e de baixa densidade populacional, muito devido ao alto padrão da região e também à horizontalidade do bairro. De todas as suas vias, a mais movimentada é a justamente a principal: A Avenida Pacaembu.

E é nesta famosa avenida que se encontra um dos mais imóveis mais bonitos do bairro, a casa que serviu de residência a Romeu Nunes e sua família:

clique para ampliar

Projetada por Júlio Paulo Albieri a residência de dois andares impressiona pelo seu luxo e por sua arquitetura eclética, que destoa bastante de suas vizinhas. Residências essas aliás que em sua grande maioria estão completamente descaracterizadas atualmente servindo de escritórios ou lojas.

Construída em 1941 o casarão teve utilização residencial por pelo menos quatro décadas, sendo depois adaptado também para o uso comercial. Depois do primeiro morador e proprietário, Romeu Nunes, também serviu de residência para Fuad Auada. Já nas últimas décadas serviu de sede para a empresa Isoterma, do Sr. Og Pozzoli, recentemente falecido e que era muito conhecido por sua incomparável coleção de automóveis antigos.

clique na foto para ampliar

Apesar de não ser possível conferir o interior da residência atualmente, podemos ao menos atestar que na porção exterior do imóvel as condições de preservação estão bastante satisfatórias.

Sua fachada original está preservada sem qualquer alteração e o imóvel recebe constante manutenção, não apresentado nenhum grande problema a se observar. A combinação de cores da fachada é de ótima escolha, dando um ar bem agradável à construção.

Com o falecimento de Og Pozzoli em 2017, fica a apreensão quanto ao futuro do casarão. O São Paulo Antiga estará sempre de perto acompanhando.

Veja mais fotos atuais da residência (clique para ampliar):

E um casarão tão belo e importante para o bairro do Pacaembu não poderia deixar de ser destaque em sua época de inauguração da importante revista de arquitetura Acrópole. As fotos abaixo foram publicadas na edição de janeiro de 1942, alguns meses depois da casa ter sido concluída.

clique para ampliar

Na revista é possível conhecer a residência por dentro, com destaque a algumas dos cômodos e áreas de convivência como junto à lareira, galeria superior e sala de jantar. As fotos estão disponíveis na galeria a seguir.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • andre santana 18/09/2018 at 17:41

    É simplesmente uma maravilha…

    Reply
  • Elcia Maria dos Santos 18/09/2018 at 18:02

    Meu caro Douglas quem foi Romeu Nunes?

    Reply
    • Vinicius Lauria 19/09/2018 at 13:29

      Também gostaria de saber. Procurei no google, mas não encontrei

      Reply
  • Bolívar Pinta Júnior 18/09/2018 at 19:15

    …/… ótimo registro de uma época de arquitetura requintada !

    Reply
  • Fabio Ullmann 18/09/2018 at 19:59

    Tirando aquele toldinho vagabundo da 25 de março o restante de fato está impecável!

    Reply
  • Elizete Torres 18/09/2018 at 21:33

    Verdadeiro luxo para a aquela época! Penso que para manter a conservação, é preferível que haja interesse de empresa, gerando trabalho e mantendo as características originais do que o imóvel ficar praticamente abandonado pelos herdeiros e depois ser vendido com desvalorização para ambiciosas construtoras, onde nós, paulistanos, dispensamos mais uma torre fria de cimento, contribuindo infelizmente, para outro apagão de nossa memória arquitetônica…

    Reply
  • Sérgio 18/09/2018 at 21:40

    Parabéns Douglas,parabéns Saopauloantiga,quero aproveitar e sugerir que se faça um trabalho sobre o casarão da família Pado,das indústrias Pado na rua da Moóca com a Barão de Jaguara,que ainda está de pé , porém abandonado,se e que ainda não o fizeram.Abraço.

    Reply
  • Evandro Del Bianco 18/09/2018 at 23:31

    Sensacional!!

    Reply
  • Gabriel Torres 19/09/2018 at 02:57

    Douglas,
    Falando em Pacaembu, você podia visitar também a Casa Imperial, localizada na Rua Itápolis. Seria uma matéria interessante de de grande curiosidade, até para as pessoas que não sabem de sua existência.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: