As comunidades estrangeiras se espalharam pelos mais diversos bairros paulistanos. Além dos portugueses, italianos e espanhóis, temos árabes na região da rua 25 de março, russos e lituanos na Vila Zelina, japoneses na Liberdade, alemães na região de Santo Amaro (Colônia e Parelheiros) e muitos outros por ai.

Já os judeus, oriundos das mais diversas regiões da Europa e Ásia, se estabeleceram em uma grande comunidade inicialmente no bairro do Bom Retiro, que até hoje – mesmo com tantos coreanos por lá – ainda pode ser visto como um bairro judaico.

Judeus e coreanos em rua do Bom Retiro

Judeus e coreanos em rua do Bom Retiro

E as tradições judaicas estão espalhadas pelo bairro em estabelecimentos comerciais, como a Casa Búlgara e suas irresistíveis burekas, além de várias sinagogas.

E aqui vou abordar uma sinagoga que é muito especial, tanto para aos judeus de São Paulo como para a nossa cidade: a Sinagoga Kehilat Israel.

O primeiro imóvel da sinagoga, em 1912

O primeiro imóvel da sinagoga, em 1912

Inaugurada há mais de um século, em 1912, a Sinagoga Kehilat Israel é a mais antiga do Estado de São Paulo. Sua primeira construção era este pequeno imóvel da foto acima.

Posteriormente, fora surgindo novas sinagogas não só no Bom Retiro, como em vários outros bairros paulistanos. A comunidade expandiu-se muito também durante os anos da Segunda Guerra Mundial, quando muitos judeus europeus vieram para o Brasil fugindo da perseguição do regime nazista.

Algumas décadas mais tarde, a sinagoga ficou pequena demais e um novo prédio foi construído em 1954 na rua da Graça.

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

A nova e moderna construção foi construída bem na esquina das ruas da Graça e Lubavitch (antiga rua Correia dos Santos). Bastante arrojada, a sinagoga até hoje chama a atenção pelos sus traços arquitetônicos e também pelo interessante painel feito em pastilhas.

Apesar da beleza, a sinagoga da rua da Graça ficou vários anos sem a manutenção necessária e sua bela fachada foi se deteriorando, com vários focos de infiltração, além de várias pastilhas do mural se desprendendo, deixando um visual não muito bonito.

Em 2012 ela estava assim:

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Felizmente, em 2013 começaram uma ampla reforma não apenas na fachada mas em toda a sinagoga, visando a criação no local, de um centro de Memória Judaica que aparentemente ainda não saiu do papel.

A sinagoga durante a reforma e o restauro do painel (clique na foto para ampliar)

A sinagoga durante a reforma e o restauro do painel (clique na foto para ampliar)

Após a reforma, o prédio da sinagoga recuperou o seu belo esplendor de outrora. O que realmente atrapalha muito a observação do templo e do painel é a exagerada fiação aérea da cidade, que deixa a rua da Graça com uma aparência caótica.

Abaixo, outra foto da sinagoga já restaurada e a entrada do templo:

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

DECIFRANDO O PAINEL:

O que muita gente que passa diante da sinagoga e talvez não tenha ideia, é que o enorme painel que adorna a sinagoga é repleto de símbolos religiosos e traços da geografia de Israel e região.

Feito com pastilhas nas cores azul (vários tons) e branco, que simbolizam as cores nacionais de Israel, o painel apresenta vários símbolos da religião judaica, como a Torá, as Tábua das Leis, menorá, etc. A imagem abaixo apresenta para o leitor todos os símbolos presentes ali:

clique na foto para ampliar

clique na foto para ampliar

Além dos símbolos judaicos presentes, no lado direito se faz presente traços que representam um mapa estilizado de Israel. Começando acima pelo mar da Galileia, seguido pelo Rio Jordão, o Mar Morto e por fim a cidade de Eilat, no extremo sul de Israel.  Acima do painel e diante da cúpula, vemos uma chanukyá, que é um candelabro de 9 braços que é usado durante os dias do Chanuká (ou Festa das Luzes).

Na restauração há um breve detalhe diferenciando o painel antes e depois da restauração. O Mar Morto que antes aparecia de forma vazada, foi todo preenchido pois tinha uma semelhança a uma forca.

Quando estiver passando pela rua da Graça, não deixe de contemplar esta bela sinagoga e seu painel.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

JOIN THE DISCUSSION

Comments

  • Sergio Luiz 14/07/2015 at 18:51

    Muito interessante, deveria ser mais explorada por escolas e instituições educacionais.

    Reply
  • Clarice Spoladore 14/07/2015 at 18:57

    Ainda bem q vc respondeu antes q eu perguntasse sobre os detalhes do painel, como uma profunda tradição tatuada na modernidade

    Reply
  • Mirian Maia Haag 14/07/2015 at 19:12

    Obrigada por nos manter informados sobre a nossa amada SP,moro no RS a 10 anos,todo ano volto pra matar saudades da minha cidade querida, sabe..fiquei tão emocionada lendo seus artigos sobre SP, e como se eu voltasse no tempo, minha infância…
    parabéns pelo teu trabalho lindo, por tanta sensibilidade.

    Reply
  • Henrique 15/07/2015 at 10:26

    Muito feio.

    Reply
    • Edimilson dos Santos 14/05/2018 at 12:58

      A beleza é o reflexo daqui que somos ou manifestamos,no seu caso suas palavras te refletem.

      Reply
  • Adriano Tomino 19/07/2015 at 02:10

    Só não ficou legal esses blocões de concreto ao redor de toda a sinagoga, o entorno do prédio ficou feio.

    Reply
  • sarita 19/07/2015 at 08:09

    Adorei sua reportagem e gostaria de acrescentar que a primeira boa reforma na década de 50 foi projetada pelo arquiteto Aron Raw.

    Reply
  • danielpardo2015 21/07/2015 at 20:22

    Eu gostei mais da primeira sede da sinagoga da foto de 1912 com as estrelas de David nas janelas, não sei se é porque a foto é preta e branca mas deu uma aparência meio sinistra e isso é um elogio, se bem que essa atual também não é feia.

    Reply
  • Paula Z. 05/11/2015 at 16:43

    Oi, Douglas, esse primeiro imóvel, pequeno, ainda existe? Onde se localizava?

    Reply
    • Douglas Nascimento 06/11/2015 at 11:29

      Foi demolida por que estava no mesmo lugar da sinagoga atual.

      Reply
  • Family Friday: Jose Shabetai Glicker | Harold and Flo 13/12/2015 at 14:26

    […] Sinagoga Kehilat Israel, article at São Paulo Antiga by Douglas Nascimento, July 14, 2015. Accessed  November 25, 2015 at http://www.saopauloantiga.com.br/sinagoga-kehilat-israel/ […]

    Reply
  • Luiz Henrique 07/01/2018 at 07:46

    O bairro do Bom Retiro é, de forma geral, muito interessante e até que está bem cuidado, considerando outras regiões do centro degradadas, como região da 25 de Março,por exemplo.

    Reply
  • Merí 26/03/2018 at 00:36

    Realmente o povo judeu faz parte da História de São Paulo.
    Mazal tov.

    Reply
  • Victoria Claramunt 09/05/2018 at 12:53

    Olá, eu sou a victoria, aluna da universidade Mackenzie. Gostaria de saber se poderia visitar e tirar algumas fotos para o trabalho que estou fazendo. Aguardo o retorno, obrigada!

    Reply