Em São Paulo existem diversas ruas que são bem conhecidas pela sua intensa movimentação noturna, com bares, restaurantes e casa de shows e espetáculos. Uma dessas ruas fica no bairro de Santa Cecília.

Mesmo assim, essas vias ainda possuem casas que em meio ao caos e barulho noturno, sobrevivem como residências, como esta a seguir:

clique na foto para ampliar

Localizada no número 33 da Rua Canuto do Val, esse charmoso sobrado antigo é uma das preciosidades desta rua que está bastante tomada por edifícios e também pelos inúmeros estabelecimentos da empresária Lilian Gonçalves, filha do cantor Nelson Gonçalves.

Esta mistura entre estabelecimentos comerciais e residências em uma área densa como esta rua de Santa Cecília, mostra o quanto a capital paulista é despreparada em questões de zoneamento.

Imagine-se no lugar de um morador de uma casa como esta. Um dia sua vida tranquila é simplesmente devastada por estar cercada de bares ao seu redor, com pessoas estacionando em sua porta, som alto, conversas. Isso jamais deveria acontecer, mas é o que ocorre.

detalhe da janela de um dos quartos

O resultado disso é a desvalorização dos imóveis residenciais e uma consequente especulação imobiliária que só é benéfica para alguns poucos, interessados em uma maior adensamento da região ou na compra da área que por ventura se desvalorize.

No caso desta quadra da Rua Canuto do Val as discussões contra a empresária Lilian Gonçalves são frequentes. Enquanto há vizinhos que a apoiem, outros vão justamente na direção contrária, questionando se esta “tomada da rua” é realmente benéfica ao bairro ou apenas para a dona da rede Biroska.

Essa discussão deveria ser mediada pela prefeitura antes da expansão dos negócios, buscando um equilíbrio entre moradia e diversão. Mas o lapso de ação da prefeitura só beneficia um lado da corda, justamente o lado de quem tem o poder econômico. Resumindo: o morador sempre sai perdendo.

Particularmente, como alguém que estuda a cidade, acho as iniciativas da empresária pífias em relação ao legado cultural. A dita “calçada da fama” é simplória, desprovida de elemento histórico e até cafona, sendo que me parece mais adequada para promover seus restaurantes do que as memória artísticas.

São Paulo às vezes me lembra um faroeste urbano.

Abaixo dois links interessantes sobre as rusgas da empresária e seus vizinhos.

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comments

  • Fábio Peres (@fps3000) 01/08/2019 at 11:21

    Toda expansão empresarial terá vencedores e vencidos.

    Reply
  • Cristina Mattoso 01/08/2019 at 11:36

    Como é bom ver uma casa antiga tão bem cuidada. Obrigada Douglas!

    Reply
  • Clarice Spoladore 01/08/2019 at 11:36

    Sábado, por volta das 14 horas, estava na região; desci no estação Mal. Deodoro e andei por ali, como um trecho da Lopes de Oliveira. Tive esse mesmo sentimento, fiquei meio pra baixo ao ver sobrados antigos, tão bem conservados, compartilhando as ruas com bares àquela hora bem frequentados, conversas, carros… me conformei ao pensar que talvez pessoas de mais idade, como eu, talvez já não morassem mais por ali, e pessoas mais novas tolerem melhor essa convivência…

    Reply
  • vanialacerda2013Vania 01/08/2019 at 11:45

    Adorei o sobrado, amei de paixão! Está muito bem preservado. Tirando a cobertura para carro, da direita, que tinha que ser eliminada, todo o resto está um verdadeiro recorte no tempo.

    Reply
  • Bolívar Pinta Júnior 01/08/2019 at 12:37

    …/… excelente análise !

    Reply
  • Jose Carlos Mills 01/08/2019 at 13:04

    Será que o grande Nelson Gonçalves chegou a morar neste simpático sobrado? Abraços

    Reply
  • Edison R Morais 01/08/2019 at 15:57

    Deveria ser a casa de alguém de classe média (razoavelmente abastada) e, provavelmente, com um enorme terreno em seu entorno.
    Digo, razoavelmente abastada, pois esses detalhes de acabamento, mesmo na época, não estavam ao alcance de alguém de classe média apenas.
    Poderia ser um comerciante, por exemplo.
    Muito bonito e deveria ser preservado, como muitos outros imóveis da área.
    Deveríamos seguir o exemplo de Lisboa que permite reformas nos imóveis, porém preservando a sua parte exterior.

    Reply
  • Daniel Pardo 21/09/2019 at 20:16

    Centrão de São Paulo tem de ser estudado, pois no meio de tanto caos, degradação e prédios altos, ainda se encontram preciosidades como essa casa.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: