São Paulo, com toda a sua imensidão territorial possui inúmeras vilas antigas espalhadas por diversos pontos da cidade. Boa parte destas vilas foram construídas por industriais, que optavam por ceder moradias decentes aos seus funcionários próxima às suas instalações fabris. E uma delas, que abordaremos hoje aqui, é a Vila Maria Zélia.

A inauguração da Vila Maria Zélia em 1917 (clique para ampliar)

A HISTÓRIA DA VILA

Inaugurada em 1917, a Vila Maria Zélia começou a ser construída em 1912, pelo médico e industrial Jorge Street, para dar abrigo aos 2500 funcionários que trabalhavam na filial do Belenzinho da poderosa tecelagem Cia Nacional de Tecidos da Juta, cuja sede estava localizada nas imediações da Rua Gabriel Piza, em Santana.

A matriz era um sucesso, com funcionários trabalhando em tempo integral e a fábrica produzindo a todo vapor, inclusive em capacidade máxima, o que levou o empresário a ampliar suas instalações, optando por uma região como o Belenzinho que já recebia muitas indústrias à época e que poderia rapidamente dar abrigo a uma nova instalação industrial.

O terreno escolhido no Belenzinho foi adquirido do Coronel Fortunato Goulart, um grande proprietário de terras da região e sua extensão ia desde a atual Avenida Celso Garcia (nas proximidades do Marco da Meia Légua) até às margens do Rio Tietê, cujo traçado então era bem mais sinuoso do que hoje, já retificado.

Para projetar a nova vila operária, Jorge Street (foto ao lado), sempre preocupado com o bem estar de seus funcionários, procurou na Europa um arquiteto que pudesse colocar na prática a sua ideia de instalações dignas, que não fossem caridosas, mas sim compatíveis com a sua visão de justiça social. Foi ai que a escolha recaiu para o francês Paul Pedraurrieux.

Pedraurrieux optou por inspirar-se nas vilas estrangeiras que estavam sendo construídas naquelas primeiras décadas do século 20, cuja inspiração não estava somente no plano de ruas, mas também presente nas edificações residenciais, escolas, e nos estabelecimentos comerciais que haveriam de ser construídos no local.

O que foi erguido era uma autêntica miniatura de cidade européia dentro da capital paulista, como se fosse um bairro à parte do Belenzinho. Foi construído ali uma capela, dois armazéns, duas escolas (meninos e meninas separados), um coreto, praça, campo de prática esportiva, salão de festas e ainda ambulatórios e consultórios médicos, avanços que não poderiam ser vistos nas demais vilas operárias da época (Nota: a preocupação com o bem estar do trabalhador por parte de Jorge Street era tanta que ele em 1931 chegou a ser diretor trabalhista no governo do Presidente Getúlio Vargas).

Planta atual da Vila Maria Zélia

A vila seria inaugurada durante o ano de 1917, após 5 anos de muito trabalho para deixa-la pronta. Todo o trabalho de Paul Pedraurrieux foi acompanhado de perto por Jorge Street que não queria que nada saísse do plano original. Graças a sua determinação tudo foi feito como o planejado, sem alterações.

A festa de inauguração da vila foi um grande acontecimento não só para o industrial mas para a Cidade de São Paulo. Para a cerimônia de inauguração vieram políticos e industriais de várias parte de São Paulo e o Cardeal Arcebispo de São Paulo Dom Duarte Leopoldo e Silva foi responsável pela missa inaugural, visitando e abençoando todos os cantos da vila, sendo seguido por uma enorme multidão enquanto percorria o local (foto abaixo).

clique para ampliar

Uma vez inaugurada, a vila foi rapidamente ocupada pelos operários que já trabalhavam na fábrica vizinha, cuja inauguração foi pouco antes da vila.

Já a fábrica, por sua vez, era tão grandiosa nos números como sua matriz no bairro de Santana. Em suas instalações destinadas a fiação, tecelagem e estamparia de algodão, a fábrica da Maria Zélia possuía no seu início de 2000 teares e 84 mil fusos, além de cerca de 3000 motores elétricos cujo funcionamento tornava a empresa uma das maiores consumidoras de energia elétrica da capital. Trabalhavam na época 2500 funcionários, que somados aos 3500 de Santana atingiam um total de 6000 funcionários no grupo.

clique para ampliar

Apesar de todo este crescimento vertiginoso e da produção indo de vento em popa, o empresário acumulou dívidas cujo pagamento começou a se complicar. Para liquidar parte delas, Jorge Street decidiu vender a vila e a fábrica em 1924. Tudo foi comprado pela família Scarpa que ao tomar posse da vila imediatamente optou por mudar o nome do local, que passou então a ser conhecido como Vila Scarpa.

Mesmo não tendo agradado aos operários o novo nome da vila seria mantido durante todo o período que a família Scarpa ficou como proprietária do complexo. Em 1929, com a crise financeira que assolou o mundo e o Brasil, a família Scarpa também sofre com dificuldades para pagar algumas hipotecas. E é assim que o Grupo Guinle toma posse do local e reestabelece, tão logo assume a propriedade, o nome original Vila Maria Zélia.

Uma das ruas da Vila em 1917 (clique na foto para ampliar).

Os grandes problemas da vila começariam na verdade na virada dos anos 30, quando devido a débitos fiscais com o Governo Federal a vila e a fábrica são confiscadas pelo IAPI (atual INSS).

Após ter passado para o governo a fábrica é desativada em 1931.Ela permaneceria fechada por oito anos até ser comprada em 1939 e reaberta como a Goodyear. Durante estes anos os moradores puderam permanecer no local sem pagar, já que era procurado um destino para os imóveis residenciais. A partir de 1939 os moradores do local tornaram-se inquilinos, pagando aluguel ao IAPI até o ano de 1968, quando finalmente foram autorizados a comprar os imóveis em que moravam através do sistema BNH.

Já no caso dos prédios funcionais (as escolas e os armazéns) eles permaneceram (e permanecem até hoje) como propriedade federal do INSS. A capela local é administrada pela Paróquia de São José do Belém. As escolas e o armazém estão abandonados há décadas, mas a capela tem funcionamento normal.

O NOME MARIA ZÉLIA

Apesar de ser uma vila bastante conhecida e presente na memória da cidade, nem todos sabem quem é a Maria Zélia que é agraciada com o nome do local. A resposta é muito simples e está na própria família de seu fundador.

Maria Zélia Street aos 15 anos de idade.

Nascida em março de 1899, a bela jovem Maria Zélia Street era filha de Jorge Street, que ao todo teve seis filhos. Ela faleceu em 12 de setembro de 1915, quando a vila ainda estava sendo construída. Ao perder a filha tão jovem o empresário decidiu colocar o nome dela na vila como forma de homenagem. Ela está sepultada no túmulo da família localizado no Cemitério da Consolação.

A VILA NOS DIAS DE HOJE

Vista de uma das ruas da vila atualmente (clique para ampliar).

Passear pela Vila Maria Zélia hoje é um passeio ao mesmo tempo nostálgico e triste. Embora sempre que há referências à situação de abandono de alguns prédios remeta-se imediatamente ao INSS, é visível que muitos dos moradores jamais tiveram qualquer respeito à arquitetura original do local.

Hoje, são poucos os imóveis residenciais que permanecem ao menos com suas fachadas mantidas originais. Quase todas elas foram completamente descaracterizadas, sejam com fachadas hoje absolutamente irreconhecíveis, ou muros e portões que destoam com a proposta da vila. E ainda,  com imóveis que antes eram todos térreos e hoje chegam a possuir, em alguns casos, três andares.

Vista parcial de duas casas da vila, completamente adulteradas (clique para ampliar).

Os anos sem tombamento pelos órgãos de defesa do patrimônio histórico (o tombamento só chegaria em 1992) permitiu que muitos dos moradores descaracterizassem suas residências. E mesmo hoje ainda é possível encontrar algumas casas em obras. Há até construções bastante próximas ao original, mas que trocaram a pintura típica da época por cores berrantes ou por texturas. É possível notar que são a minoria dos imóveis que permanecem originais ou próximos disso.

Detalhe de alguns pórticos ainda preservados na vila (clique para ampliar).

Os prédios mais originais da vila são, ironicamente, os prédios abandonados do INSS que jamais sofreram alterações, e ainda algumas poucas casas que conservam heroicamente as características da vila fundada por Jorge Street há quase 1 século atrás.

Veja como estão algumas das construções da histórica Vila Maria Zélia.

AS RESIDÊNCIAS:

Um belo exemplo de casa preservada (clique para ampliar).

É possível ainda encontrar na vila algumas casas bastante conservadas, originais ou próximas do que eram em 1917. São residências como esta acima, que permaneceram preservadas e que são mantidas sempre impecáveis por seus proprietários e inquilinos. Como era uma vila particular, originalmente as casam não tinham muros, exatamente como era o conceito do arquiteto Paul Pedraurrieux, seguindo os moldes europeus.

Na galeria abaixo, você confere algumas residências interessantes da vila. Notem que a primeira foto da galeria é uma casa pertencente ao INSS por isso está vazia e a última delas (também do INSS) é muito pequena para ser uma residência, parece mais um posto de vigia.

Galeria das residências (clique na foto para ampliar):

OS ARMAZÉNS:

Vista de um dos armazéns da vila (clique para ampliar).

Dos dois armazéns existentes na vila um está em péssimo estado de conservação, enquanto o outro apresenta apenas condições satisfatórias. Em um deles é possível notar que o piso superior já ruiu e o telhado foi protegido por uma armação de ferro, já que a madeira há muito tempo apodreceu. Dentro de um deles há antigos equipamentos de tornearia.

Galeria dos armazéns (clique na foto para ampliar):

A CAPELA DE SÃO JOSÉ:

Localizada em uma posição central da rua principal da Vila Maria Zélia, a Capela de São José fica bem diante da entrada da vila e está bastante conservada e preservada com seus detalhes originais.

Alguns anos atrás, a torre da capela estava bem deteriorada com pedaços dela se soltando, mas sofreu uma intervenção de restauro que colocou-a em ordem novamente. A capela faz parte da Paróquia de São José do Belém, não muito distante dali, e regularmente tem atividades religiosas no local. A primeira missa dela foi celebrada pelo Cardeal Dom Duarte Leopoldo.

Confira a galeria da Capela de São José (clique na foto para ampliar):

AS ESCOLAS DA VILA MARIA ZÉLIA

Na Escola de Meninas, uma das lousas sobrevive intacta (clique para ampliar)

Visitando a vila, talvez o que chame mais a atenção seja o estado lastimável e quase irrecuperável que se encontram as duas magníficas construções escolares que existem ali. A Escola de Meninos e a Escola de Meninas.

São dois prédios de dois andares construídos um de frente para o outro e que por muitos anos funcionaram como excelentes escolas, das melhores da região. Não era frequentada apenas por filhos de moradores da vila, mas também de moradores de ruas próximas como a Cachoeira e Catumbi. Pertencente ao INSS estão ambas em uma situação de extrema penúria, com mato tomando conta do interior da construção e com várias salas já sem teto.

A Escola de Meninas (esquerda) e a de Meninos (direita). Clique para ampliar.

A Escola de Meninas está com suas portas lacradas, não sendo possível entrar dentro dela para conferir como se encontra a situação interna, mas de fora dá para notar que apenas as paredes resistem intactas. Algumas instalações sobrevivem, mas largadas na ação do tempo não irão ser preservadas por muitos anos.

Já na Escola de Meninos foi possível entrar e conferir o quão abandonado está o prédio que por anos e anos foi uma referência de educação na região. É extremamente perigoso caminhar lá dentro. A sensação de que tudo pode vir a desabar a qualquer momento está presente em todas as dependências da escola.

A Escola da Meninos em 1917, bem diferente dos dias de hoje (clique para ampliar)

São salas de aula totalmente destruídas pelo tempo, com o forro do teto podre. O madeiramento de portas, batentes e até das lousas estão apodrecidos e muitos deles tomados por cupins. O andar superior só não ruiu ainda porque é escorado por uma profusão de toras de madeira, que dão uma curiosa impressão de estarmos em uma “palafita urbana“.

O restaurante está totalmente destruído, com azulejos se soltando e com uma imundície de local que há anos não recebe qualquer atenção por parte do INSS. As belas escadarias internas de madeira, que ligam o térreo ao andar superior, parecem não mais suportar o peso de uma pessoa. Aos fundos o corrimão de ferro da outra escadaria, que é de alvenaria, sofre com uma ferrugem que já desfigura a arte executada pelo ferreiro. No pátio da escola uma antiga arquibancada de ferro está coberta com uma lona azul, mas está tão ruim que talvez não possa ser reutilizada.

Andar nas dependências internas da Escola de Meninos é ter a sensação de que tudo ali vai desabar a qualquer momento. Abaixo dividimos as duas escolas em duas galerias distintas, confira:

Galeria da Escola de Meninas (clique na foto para ampliar):

Galeria da Escola de Meninos (clique na foto para ampliar):

CONCLUSÃO:

Detalhe de duas fachadas residenciais da vila (clique para ampliar).

Acredito que hoje não é mais possível chamar a vila toda de patrimônio histórico. Boa parte dela está completamente desfigurada com casas que não fazem qualquer lembrança com o projeto de Paul Pedraurrieux há quase um século atrás.

Algumas residências, inclusive, foram ampliadas sem qualquer auxílio de um profissional de arquitetura e tornaram-se verdadeiras aberrações arquitetônicas, daquelas que encontramos espalhadas por vários bairros paulistanos e do Brasil. E seria impensável nos dias de hoje, na realidade brasileira, em voltá-las novamente ao que eram em 1917. Até pelo fato delas serem residências particulares.

Como a vila está tombada alterações na fachada agora são proibidas, mas isto não quer dizer que não são feitas. Nas galerias acima é possível encontrar algumas casas realmente preservadas, mas também vemos casas que foram alteradas recentemente. Onde está a fiscalização ?

Um dos armazéns em pleno funcionamento em 1917 (clique para ampliar).

Já os armazéns e as escolas a culpa do estado lastimável em que se encontram, e da tragédia terrível que poderá ser um eventual desabamento, é culpa do Governo Federal e do INSS que são proprietários dos imóveis há décadas e nunca, jamais, fizeram qualquer movimento visando a proteção e preservação das construções a qual são proprietários. Curiosamente outro imóvel bastante conhecido do paulistano e igualmente abandonado também pertence ao INSS, o Castelinho da Rua Apa.

É preciso preservar enquanto ainda é possível, do contrário só restarão fotografias para contemplarmos. A bela história da Vila Maria Zélia não pode desaparecer jamais.

Curiosidade:

  • Depois da fábrica ser desativada em 1931, ela ficou sem qualquer atividade até 1936 quando nesta momento foi transformada em um presídio político, durante o Estado Novo. O presídio operou por cerca de um ano, sendo desativado no final de 1937. O local abrigou cerca de 700 presos políticos entre eles personalidades conhecidas da cena paulistana como o intelectual Caio Prado Jr.
  • Cenário constante de comerciais de televisão e filmes nacionais, entre eles a comédia “O Corintiano” de Mazzaropi.

Nota:

*1 – Em 21 de julho de 2018 conseguimos finalmente entrar na escola de meninas, que teve seu interior limpo pelos moradores da vila. Agora encontra-se fechada (e com risco de ruir) a escola dos meninos. As fotos da galeria Escola de Meninas foi atualizada com inúmeras fotografias dessa nossa nova incursão ao local.

Artigo atualizado em 23/07/2018

About the author

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, edita o site São Paulo Antiga e é membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP). Também edita o blog Human Street View, focado em comparações fotográficas entre a atualidade e o passado.

Deixe um comentário!

Comments

  • Marcos 11/10/2012 at 16:44

    Belíssima reportagem. Parabéns! Que triste o descaso com a nossa história.

    Reply
    • Raul Ferreira Gomes 24/03/2013 at 20:38

      Foi um privilégio poder ler rever tudo isto e conhecer a história desta vila, tenho 71 anos e por quatro anos nos idos de 1960, estudei em um dos prédios escolares, infelizmente hoje em ruínas,naquela época funcionou ali uma escola de química industrial, cujo nome era Escola de Química Industrial Manoel da Nóbrega e as casas e demais construções ainda preservavam o estilo, inclusive o campo de futebol, a época o único do esporte amador que tinha iluminação para jogos noturnos e no qual tive oportunidade de participar de vários jogos do colégio. Muita saudade !

      Reply
  • Fabio Ramon Franco 11/10/2012 at 17:25

    Maravilhoso, lindo, muito lindo o trabalho de vocês. Essa iniciativa tem que ser transformada em lei federal, municipal, estadual, melhor, universal. Preservação total de todo o património histórico seja lá de onde for! Parabéns!!! É uma pena que eu more em Niterói, RJ por que eu amaria trabalhar com vocês!!!

    Abraço a todos e boa sorte.

    Reply
  • Katia Maria Requena Duarte 11/10/2012 at 20:46

    Admiro o trabalho de vocês e reconhecidamente preciso do auxílio de vocês no que concerne no levantamento histórico da região onde estão enceridas as escolas nas quais eu trabalho. Sou professora de história da rede pública uma aficcionada por São Paulo e acredito sinceramente que a preservação do patrimônio histórico é importantíssimo para preservação da memória. Dando um sentido de pertencimento ao lugar.

    Reply
  • Margarete 13/10/2012 at 03:42

    Acompanho o seu trabalho há mais de 2 anos, visitei todo o conteúdo dessa trabalho grandioso, percebe-se claramente que vc realmente ama SP, e confesso que senti um vazio, uma tristeza grande, imensa.Pensei no carinho de Jorge Street quando construiu a vila, na homenagem para sua filha,por um momento sei um aperto na alma e chorei…
    Não é o governo, INSS ou qualquer outro o culpado!
    Culpados somos nós todos, que assistimos tudo isso e não lutamos, reinvidicamos por nosso maior direito: O direito de ter orgulho de nossa história, o direito de preservar parte de nossa caminhada, o direito de gritar que somos cidadãos conscientes, e não meros números que aumentam a população.
    Apenas fotos apagadas, sem valor algum para uma geração que não terá direito á conhecer sua própria história. Viveremos apenas, até que nossas lembranças tb sejam ruínas.

    Reply
    • Maria Lucia Pinez 26/11/2015 at 15:55

      Tb fiquei emocionada ao ver isso tdo em ruínas.Realmente é culpa do povo.

      Reply
      • Herbet Catapano 27/11/2015 at 08:45

        Infelizmente não, o povo até hoje só foi enganado, por politicos e gente inescrupulosa, hipócritas interesseiros em enganar os moradores e alguns saudosistas ex-moradores da vila, com promessas e mais promessas de revitalização da vila, mas assim que as eleições passam,são procurados e nada dizem ou fazem, Aproveitam-se da maioridade sexagenária dos incautos e inocentes para se auto promover – bando de CALHORDAS SANGUINÁRIOS, SANGUESUGAS, INESCRUPULOSOS, APROVEITADORES.

        Reply
  • maria Regina da costa e silva 14/10/2012 at 16:55

    Linda reportagem , estudei no Colégio Manoel da Nóbrega lá na Vila . Tenho lindas recordações daquele tempo e espaço . Parabéns !

    Reply
  • Kate V 14/10/2012 at 18:34

    Postagem maravilhosa!
    Lindo o armazém, a escola de meninas.
    Pensando aqui: vão se as vilas, ficam-se os condomínios fechados… =/

    Reply
  • Claudio Moreira 15/10/2012 at 12:34

    Ótimo local e ótima reportagem !!
    Uma pesquisa bastante extensa e detalhada, parabens !
    É verdade que o estado geral das construções da Vila MZ não é dos melhores, mas acho que faltou só um pouquinho de bom astral na matéria, incentivando as pessoas à visitar o local. Apesar do estado atual, que não é dos melhores, eu já fui lá e gostei muito, principalmente se você tiver a sorte de conhecer na hora algum antigo morador e ter ele como o seu guia, como foi o meu caso. Ao incentivarmos o hábito da visitação neste e outros lugares apresentados neste site, talvez consigamos indiretamente chamar a atenção dos proprietários e a da sociedade para a sua preservação. A Vila Maria Zélia é um bom exemplo disso: é um bom lugar para passear e se fazer boas fotos (pra quem gosta).
    É isso aí. Um abraço !

    Reply
  • João Vergílio G. Cuter 16/10/2012 at 04:02

    Parabéns pela página. Bem cuidada, informativa, com material fotográfico interessantíssimo.

    Reply
  • Egydio Colombo FIlho 19/10/2012 at 13:03

    Que beleza de trabalho! Muito bem organizado, mesmo didático, e de excelente qualidade. Esta iniciativa – http://www.saopauloantiga.com.br – é bem bacana, nota 10.Recomendarei para todos os meus amigos e
    alunos.

    Reply
    • Douglas Nascimento 19/10/2012 at 13:08

      Muito obrigado Egydio, mesmo!

      Reply
  • Murivaldo Capucho 07/11/2012 at 17:35

    Infelismente esse é um real “retrato do governo que nos (des)governa”, completo descaso, e se fosse provocado por algum contribuinte… coitado, estaria em “maus lençóis” provavelmente até processado pelo estado e com restrições a crédito, financiamentos, empréstimos, etc…

    Reply
  • odair de almeida 20/12/2012 at 14:11

    eu tenho muito orgulho de falar eu estudei no grupo escolar MARIA ZELIA,MINHA PRIMEIRA PROFESSORA FOI DONA MARIA ROSA A SEGUNDA FOI DONA FLÓRA A TERCEIRA , QUARTA E QUINTA FOI JANDIRA PASTANA,OS DIRETORES NA ÉPOCA FORAM DONA IZAURINHA E SR ANTENOR NA DECADA DE 1950 [ 52 A 56 ]

    Reply
    • José Roberto Sartori 01/04/2013 at 12:06

      Olá Odair: Acho que nos conhecemos.Também estudei nessa época, em que a D.Isaurinha e o Sr.Antenor eram os diretores. Eu morava na vila e fiquei lá até aos 27 anos, quando casei. ( Eu nascí lá). Bons tempos. Por acaso você norava na Rua Cachoeira e seu pai tinha um Ford? É lamentável a deterioração de alguns predios.. Um abraço.

      Reply
  • José Sabino Maurelli 28/12/2012 at 13:36

    Parabens em primeiro lugar em ilustrar e preservar as belas imagens da Vila Maria Zélia.

    A memória está sucateada pelo declínio da consciência cultural e histórica paulistana.
    Pena que as autoridades estão débeis frente a tanta riqueza estar sendo perdida.
    Povo que não tem respeito ao seu passado é questionado quanto ao respeito a nação e seus antepassados.

    Reply
  • Rosangela Tubias Guilherme 06/06/2013 at 21:36

    Estudei no Colégio Manoel da Nóbrega lá na Vila Maria Zélia nos anos 80.Que saudades!
    .

    Reply
  • Alba Barbosa Pessoa 06/06/2013 at 21:51

    Olá.
    Bom trabalho em defesa do Patrimônio Histórico.
    Seria interessante se mostrasse uma imagem da fábrica Maria Zélia com as inúmeras crianças que lá trabalhavam em longas e extenuantes jornadas de trabalho.

    Reply
    • Costa 08/06/2013 at 12:53

      Sim, seria interessante. E creio que nenhuma destas crianças trabalhadoras tenha se tornado bandido. Hoje em dia a grande maioria das crianças não precisam trabalhar, mas não podemos julgar aqueles tempos com os olhos de hoje.

      Reply
      • Adriana de Souza 19/04/2014 at 23:00

        Concordo com vc amigo. Eu comecei a trabalhar com 14 anos, trabalhava e estudava! E estou vivinha da silva! Acho que um dos problema da alta marginalidade no meio infantil e adoloescente é a falta do que fazer, como diz o ditado: mente vazia, oficina do diabo.

        Reply
  • José Vieira 17/06/2013 at 15:21

    Muitas Saudades daquele tempoo que não volta mais.
    Abraços a todos

    Reply
  • Lauri Noronha 12/07/2013 at 00:07

    Ai na Vila Zélia tinha um Colégio Técnico de Química Industrial, eu cursei química aí.Eu sempre adorei este lugar.Saudades.

    Reply
  • jair asbahr 18/07/2013 at 17:56

    Uma lágrima foi o que me restou da lembrança ditosa do Grupo Escolar Maria Zélia que nós infantes de 7 anos dizíamos. “grupo Escolar Maria Zélia entra burro e sai groselha” e, no dia seguinte estávamos unidos na sala de aula iniciando o abcedário. Saudades de Dna. Cesarina. Querida professora que abriu as fronteiras do meu aprendizado. Meu time o moringuinha. Imbatível atá que o tima dos falcões negorso chegaram e levaram nossa taça. O guarda civil, Sr. Garcia. punha respeito e era por todos os moradores da Catumbi respeitados.Peia aos seus conhecidos para que assinassem a lista para comprar a caminha do time e comprar a taça. Coisa bôa. Lembro com lágrimas seu Garcia todo alegre, com o “futebolino” na mão, a ultima figurinha que nos faltava para completarmos o album e trocar pela bola oficial lá na rua do gaszômetro. E agora, que tristeza. investe-se uma fortuna na educação e colhe-se migalhas no aprendizado. O predio do grupo e o do colegio manoel da nobrega e o professor Dr. Aquino. Com tanta carencia de espaço cultural efetivo para povão e aí, prédios historicos ociosos. Vou procurar em “meus mortos ” porquanto entendo que tenho umas fotos. SE dermos as mãos mudaremos o curso desse desmando desmazelado. JAIR ASBAHR. só falta o primeiro impulso.

    Reply
    • heitor felippe 23/01/2015 at 21:52

      Jair, tambem fui alfabetizado pela professora Dona Cezarina. Estudei e tirei meu diploma no Maria Zélia e concordo com tudo o que foi escrito. Lembro bem da minha professora do 4º ano, Dona Ester, energica porem humana. Dona Vilma que era muito bonita e das injeções que tomava-mos uma vez por ano.

      Reply
  • Ana Monteiro 28/08/2013 at 12:56

    Tenho orgulho em dizer que sou bisneta do Jorge Street. Atualmente moro na Escocia e encontrei aqui uma obra muito semelhante a do meu bisavo em “New Lanark”, pertinho de Glasgow na Ecocia. A fabrica, a vila dos operarios, escola etc estao completamente preservados e sao agora um centro turistico. Sera que a gente nao consegu fazer algo parecido ai em Sao Paulo? Qualquer ideia sera bem vinda!

    Reply
    • jair asbahr 29/08/2013 at 08:10

      Ana. por que vc não encabeça junto com a bisneta do fundador uma campanha para o INSS alienar as ruinas e após algum empresario da construção civil arrematar e revitalizar a vila, mercê de um arquiteto inteligente e criativo. Mãos dadas em torno de um propósito é mais fácil alcançar os objetivos. jair asbahr

      Reply
    • rafael leão 16/09/2013 at 09:22

      Ana, moro na Vila e gostaria dos seus contatos para tentarmos revitalizar a Vila.
      Abraços.

      Reply
      • Ana 16/09/2013 at 13:30

        Como vc acha que poderíamos revitalizar a Vila? Pensei em tentar algo como conseguir verba por meio de geminar cidades mas nāo tenho muita ideia de como começar.

        Reply
        • Douglas Nascimento 16/09/2013 at 13:53

          Ana e Rafael, se precisarem de ajuda o São Paulo Antiga está a disposição.

          Reply
        • jair asbahr 16/09/2013 at 17:34

          Olá amigos. Poderíamos formar uma associação ou simplesmente uma comissão para nos dirigirmos ao INSS e, primeiramente, saber QUAIS os prédios que estão disponiveis, ou seja: predios de porte,que possam ser restaurados como p.e. o do colegio Manoel da N´brega, a Escola primária Maria Zélia, na qual me alafabetizei em 1948, com Dna Cesarina. Com esses prédios na mão da associação, torna-se fácil disponibilizar verba para uma reforma acentuada e não um restauro que fica numa fortuna. Sei como fazer isso, Já fui Prefeito oito anos. Sei que há verba,mas tem que haver projeto e seriedade. Não sou politico de carreira; minha atividade ao longo dos meus 70 anos, se ateve na advocacia e no ministério público e, hoje sou empresario aqui no Sul de Minas nos ramos de hotelaria e radiodifusão.

          Reply
          • heitor felipppe 29/03/2014 at 17:13

            Não sabia que se pode comentar as fotos. porem nunca é tarde. Quem lembra da Dona Cezarina, deve lembrar tambem da diretora da Escola, Dona Ester, da Dona Vilma, professora, e das injeções no braço que eram aplicadas em uma sala em frente a entrada principal. Quanta choradeira…

          • jair asbahr 31/03/2014 at 12:15

            prezados companheiros. Estive por duas vezes em janeiro deste ao no local, me dirigi ao porteiro que informou não ter visto quem aguardasse alguém com o nosso perfil. Falei com duas senhoras que conservam uma casa ao tempo da fundação e tb não souberam de nada a respeito de uma reunião sobre a revitalizaçao dos prédios. Heitor Felippe assuma a frente desse fecundado movimento e o faça nascer. Vc é moço e tem futuro. saudações a todos desta corrente. jair asbahr

          • Lauri Noronha 01/04/2014 at 09:19

            Olá amigos ,
            O que eu notei, não sei se perdi algum pedaço da história, é que ninguém deu resposta para Ana Monteiro. Fiquei na expectativa de um email mas não aconteceu.
            Bem… se combinarem algo eu quero estar com vocês.

          • Lauri Noronha 01/04/2014 at 09:29

            Se eu puder ajudar,estarei a disposição. Eu particularmente não sei nem por onde se começa uma ação desta.
            Aguardo email de algum amigo.

            Att

            Lauri Noronha

  • Isaias 15/10/2013 at 13:31

    Estudei Quimica no Colégio Manoel da Nóbrega por dois anos 1979 e 1980 (primeiro e segundo colegial técnico ), morava no Bairro Patriarca, longe da Vila acredito que uns14 Km, onde percorria o trajeto de onibus, descia as vezes na Celso Garcia outras vezes na Radial Leste e fazia o restante do percurso a pé. Depois mudei para Uberlândia-MG, onde vivo até hoje. Muitas lembranças, o uqe mais me imprecionava no colégio éra o laboratório, com embriões, órgão humanos, mãos e etc. Éramos eu, meu primo Wagner Quadral e o Marron (não me lembro o nome dele) bagunça não faltava.
    Mas a restauração e revitalização, acredito de deve começar com a criação de uma entidade séria, sem fins lucrativos, tenho a convicção que os investimentos para concretização deste projeto serão enormes, principalmente se os moradores da vila abraçarem a idéia. Será necessário também muita paciência.

    Reply
    • jair asbahr 17/10/2013 at 11:30

      Olá ilustre companheiro. Estive, em 1947 no primeiro ano do grupo escolar Maria Zélia. Alá, com Da. Cesarina, descubri o mundo. Ela me alfabetizou. A cartilha ensinava unir as letras, Assim. J mais A era igual a JA e, logo escrevi Jair, meu prenome. Sem duvida se todos nós dermos as mãos, tiraremos a Vila Maria Zelia, com tantoos predios aproveitáveis para a comunidade. Vamos lá. Dê a partida. A bisneta do fundador e empreendedor de escol, poderá encabelar o movimento. Varificar uma data comum para todos nos reunirmos por lá, num fim de semana. jair asbahr. Vamos logo que tenho pouco tempo de vida na terra.Saudações a todos da corrente.

      Reply
      • Ana Monteiro 17/10/2013 at 12:06

        Ola
        Eu sou bisneta do Jorge Street. Estou bem interessada em organizar um projeto para restaurar a Vila M Zelia. Nao sei bem como conseguir isso mas para começar poderiamos formar um grupo. Acontece que eu moro na Escocia mas estarei no Brasil em janeiro. Qual a possibilidade para os interessados em fazer parte do grupo encontrar em janeiro?

        Reply
        • jair asbahr 17/10/2013 at 12:55

          Olá senhora. Satisfação sabê-la disposta ao “start”. A senhoora poderia determinar uma data de janeiro para podermos saber sobre a quantidade de pessoas que poderão estar presente, posto que janeiro é época de férias escolares e muitos ajustam suas férias para essa época. Contudo, determine uma data e vejamos o que acontece. saudações. jair asbahr

          Reply
          • Ana Monteiro 17/10/2013 at 13:22

            Eu poderia participar de um encontro inicial entre dias 8 e 12 de janeiro. Se todos os interessados indicarem as datas preferidas neste intervalo poderemos combinar a data preferida para todos.

          • jair asbahr 18/10/2013 at 08:51

            Nessas duas primeiras semanas de janeiro vindouro,, se tudo correr bem, nada há que me impeça de assumir esse comprpomisso com a senhora. Poderia ser no local, na entrada da Vila em horário a ser fixado pela senhora e demais companheiros. jair asbahr.

        • Herbet Catapano 19/09/2014 at 18:54

          Boa Noite Sra. Ana, entre em contato comigo quando vier ao Brasil estou no facebook herbet catapano

          Reply
      • Lauri Noronha 18/10/2013 at 00:18

        Eu ficaia muito feliz em participar deste encontro. Uma ótima ideia.Moro em SP e os dias de 08 e 12 de janeiro seria muito bom .

        Reply
  • HERBET CATAPANO 22/10/2013 at 11:04

    É lamentável ver o estado de alguns prédios, como o armazém, a escola e alguns outros, que o Sr. KASSAB, no auguro de ser eleito prometeu restaurar, com isso conseguiu votos dos moradores e de suas famílias, colocou sonhos na mente dos mais sensíveis e tradicionais moradores da maravilhosa Vila Maria Zélia, e o que ele fez realmente foi frustrar esses sonhos, alguns dos ilustres e tradicionais moradores, infelizmente partiram, com ilusão em seus corações alimentada por homem sem coração.
    Meu Pai nasceu ali – é da família CATAPANO, quem é de lá certamente sabe quem é

    Reply
    • jair asbahr 23/10/2013 at 08:30

      Olá Herbert. Meu pai, dentosta na rua Catumbi, tinha como clientes pessoas da familia Catapano, Casagrande, Fumagali que me ocorre de momento. O Ari Casagrande, hoje desembargador, nasceu na Vila, poderia nos ajudar nessa linda empreitada.

      Reply
      • Herbet Catapano 19/09/2014 at 18:51

        BONS E TERNOS TEMPOS AMIGO JAIR, SÓ ME RESTA UMA LAGRIMA ROLANDO DE MEUS OLHOS AO RELEMBRAR

        Reply
  • Antonio Paiva Filho 21/12/2013 at 02:40

    Apenas para complementar esta história:
    Em 2004, uma dos mais importantes grupos de teatro de São Paulo, o Grupo XIX de Teatro, instalou-se em residência artística, e lá se encontra até hoje, montando grandes espetáculos, como “Hysteria”, “Hygiene”, “Arrufos”… E junto com a Associação Cultural Vila Maria Zélia, lutam para preservar os prédios, chamando a atenção dos poderes públicos.

    Reply
    • thom pson (@thommy_dl) 26/09/2014 at 12:17

      Acho que falta acrescentar isso por aqui! Nos últimos 10 anos, o Grupo XIX se tornou um dos mais importantes da cena teatral paulistana, ajudando a dar visibilidade à vila, levando grandes quantidades de público para de quebra conhecer a arquitetura e a história, e utilizando espaços abandonados, como as escolas de meninas e de meninos, com resultados artísticos belíssimos e impactantes. além de levar cultura e realizar atividades junto aos moradores da vila. seria muito interessante atualizar o artigo original com informações do tipo. mas parabéns pelo trabalho de levantamento histórico, não conhecia o site e quero voltar sempre!

      Reply
  • Silvio Augusto Sgai 22/12/2013 at 16:48

    Que saudades, Eu morava na Rua Joaquim Carlos, e estudei no Colégio Manuel da Nobrega de 1965 a 1968,
    Lembro do Professor Alceste Gavioli, Professor Celso, Professor Garrido, o Oscar que era secretario da escola.
    Muitas saudades mesmo.

    Silvio Sgai

    Reply
  • Lauri Noronha 23/12/2013 at 00:17

    Eu tb estudei no Colégio Manuel da Nóbrega no ano de 1969 ,lembro de todos citados pelo Silvio Augusto Sgai;. Alguém tem notícias da Ana Monteiro? Ela virá ao Brasil? Vamos nos encontrar?

    Reply
  • Ana 23/12/2013 at 08:14

    Então, já estou em São Paulo. Quem e quando (entre dias 8 e 12 de janeiro) poderíamos nos encontrar?
    Ana

    Reply
    • Lauri Noronha 25/12/2013 at 01:05

      Caso seja marcado no dia 08.01.14 eu só posso ir se for no meio da tarde, os outros dias eu estarei a disposição para o encontro.
      Deixo a critério dos amigos.
      Fico no aguardo.
      Lauri Noronha

      Reply
  • Hysteria | COLETIVO BANG MEXERICA 20/05/2014 at 13:10

    […] dia 18, durante a Virada Cultural 2014 em São Paulo. Em cartaz desde 2001 – desde 2004 na Vila Maria Zélia, no bairro do Belém da capital paulista – a peça é mais que contemplação: o elenco coloca os […]

    Reply
  • Maria de Fatima Silva 01/06/2014 at 15:13

    Fiz minha dissertação de Mestrado sobre a Vila Maria Zélia e gostaria muito de ve-lá restaurada.

    Reply
    • Ellen Camila 18/09/2014 at 11:48

      Maria, estou fazendo um trabalho da faculdade com tal tema, gostaria muito de ter acesso a seu conteúdo como fonte secundária.

      Reply
  • Vila Maria Zélia | i1982 20/06/2014 at 15:06

    […] Para não plagiar o texto, coloquei somente a introdução aqui. Recomendo que você entre no site São Paulo Antiga para ler toda a história da […]

    Reply
  • Mauro Pietrobon 24/07/2014 at 10:51

    Me desculpem, as primeiras casas foram reformadas ja no final da decada de 60, essa Vila foi vendida aos moradores, formada na maioria por operarios, foi tombada pelo Condefat só na decada de 90, depois que ela estava toda modificada, vieram com intimaçoes, assustando moradores que vivem la a 50/60 anos, com ameaças e etc, como se estivessemos na Europa, o INSS que é proprioetario dos predios que estao em piores condiçoes nao faz a parte dele, todas as casas tinham as portas, janelas, assoalhos e forros com madeira importada da Russia, o Pinho de Riga, as calhas todas de cobre, quase tudo veio da Europa, como voce vai restaurar um caisa dessas com material original? Aqui no Brasil nao se cuida nem do basico…pra quem ve a coisa de fora é muito facil falar.

    Reply
    • Douglas Nascimento 24/07/2014 at 11:14

      Mauro, concordo com você em partes. Penso que o que já foi alterado por completo já foi e deve ser destombado.
      Entretanto o que está inteiro ou parcialmente preservado não deve ser modificado e o proprietário tem sim a obrigação de preservar. O bem coletivo, o patrimônio histórico, está acima do bem individual que é a propriedade. O que não pode acontecer é este ônus ficar somente ao proprietário, que deveria contar com o apoio técnico e financeiro do poder público para manter o imóvel preservado. Se não é assim cabe ao prejudicado procurar o Estado e lutar pelos seus direitos.
      Por fim, minha família (lado materno) residiu na vila, meu pai foi figurante do filme do Mazaroppi e jogou alguns anos no Clube Maria Zélia e minha mãe estudou aí. Abraços!

      Reply
      • Mauro Pietrobon 24/07/2014 at 11:33

        Douglas, embora eu nao more mais na Vila, ainda tenho um imovel la, de 200 casas, se sobraram 5 em estado original é muito, as casas começaram a ficar em pessimo estado, aquelas telhas de amianto importadas da França nao existiam pra reposiçao, a mesma coisa as calhas de cobre, as portas, janelas, assoalhos , forros opodrecendo, como contratar um carpinteiro nos anos 60/70 que fizessem a restauraçao identica? Eu nasci na Vila em 1951, me casei em 1976, foi quando me mudei, meu pais permaneceram la, minha mae faleceu em 2009, eu conheço muito todos esses problemas, eu fui numa reuniao no Ministerio Publico pra tratar desse assunto, onde um Promotor e demais funcionarios arrogantes do condefat ameaçou pessoas de idade, gente simples, até a perda do imovel se nao restauracem o imovel de acordo com o original. Abraços.

        Reply
        • HERBET CATAPANO 26/07/2014 at 22:56

          Assino embaixo, Mauro, meu Pai AMÉRICO CATAPANO, também nasceu, assim como alguns de meus tios, por acaso ao longo da sua vida voce deve ter ouvido falar deste sobrenome – Minha Madrinha Miquelina foi a ultima dos Catapano a deixar a Vila, que era casada com Sr. Antonio de Oliveira, Meus Primos nasceram todos lá Winllian Zancarlli, Dagoberto Zancarli, Maria Helena de Oliveira, Elizabeth entre outros parentes meus, na época por interesse eletivo um certo politico se comprometeu a restaurar e reviver a Vila, andou dando alguma tintazinha para alguns dos moradores, mandou dar uma restaurada na fachada de algumas casas de la Inclusive de nosso Saudoso Raul, um dos moradores da vila que não vou declinar o nome o nome por questão de ética, muito safado e sem vergonha se bandiou para o lado desse politico, puxou-lhe bem o saco, e ganhou um grande pé na bunda merecido alias – na época meu pai foi convidado a ir lá tirar foto junto deles etc, e tal, e eu disse ao meu pai na época – Pai não se mete isso é pura hipocrisia, e que aconteceu foi exatamente isso, ficou só na promessa, impediram muitas pessoas de restaurar suas casas, que realmente necessitavam de conservação, só que a conservação e preservação no formato histórico seria muito dificultosa e cara, pois como voce mesmo diz e sabe dependia de materiais e profissionais especializados, então minha pergunta se eles se interessavam tamto pela Vila, porque não deram sequencia ao projeto, restaurando os imóveis que são por conta da união “Armazem, escola de meninos e meninas, sapataria etc.” uma das unicas coisas que ainda funcionam e tem alguma preservação é a capela pois é mantida pelos moradores e administrada pela Paróquia do Belém, mais uma vez afirmo – TUDO AQUILO QUE POLITICO PÕE A MÃO NÃO VAI. Um grande abraço a um amigo que pessoalmente não conheço, mas que só pela sua coragem da postagem já admiro.

          Reply
        • Mauro Pietrobon 05/01/2015 at 14:39

          HERBET CATAPANO, eu conheci todos os seus parentes da vila, o Willian, o Dagoberto eram amigos de infancia, brincavamos naquele Rio Tiete que originalmente passava nos fundos da vila, sua prima Elizabeth morava onde se chamava grupo solteiro, tivemos uma infancia magica naquela vila, se eu tivesse a oportunidade de voltar no tempo, gostaria de viver tudo o que vivi na minha infancia novamente, Grande Abraço.

          Reply
          • HERBET CATAPANO 06/01/2015 at 08:58

            Bom dia amigo!, que 2015 lhe seja realmente um ANO BOM, fico feliz por estar bem, realmente podemos dizer que tivemos uma infancia feliz, a Vila sempre foi tudo de bom, Deus abençoe ao amigo.

          • jair asbahr 06/01/2015 at 09:51

            Olá amigos da Vila Maria Zélia. Em complementação às reminiscências dos anos 49/50 no Grupo Escolar Maria Zélia, onde aprendi a ler com a profes. Dna Cesarina e cresci na Rodrigo Cesar de Menezes, joguei no Estrela do Norte e brilhamos com o Moringuinha, o time juvenil da Vila, foi campeao em 54, no torneio do bairro Catumbi, Belém e Belenzinho e até um time do Tatuapé.

          • HERBET CATAPANO 06/01/2015 at 19:37

            Oi Jair, prazer imenso em saber que voce também pode desfrutar dos anos de ouro da Vila, 54, foi o ano em que eu nasci, e quando menino desfrutava das delicias da Vila, minha Madrinha Miquelina de Oliveira, casada com o Antonio de Oliveira que tinha uma pequenina fabrica de borrachas para maquinas de escrever, eu adorava o cheirinho da borracha sendo prensada, minha Tia Ida, casada com o Nino Zancarli, minha tia Helena, casada com meu tio João Careca, morava na vila dos solteiros, me enche os olhos de lagrima da saudades daquele tempo, os arranca-toco nos campos de futebol, onde o Valucci (Anacleto Pietrobon), que depois virou juiz de futebol – o maravilha Meu Deus.

          • Mauro Pietrobon 29/12/2015 at 11:51

            Ola Jair, eu estudei com a Dona Cezarina, eu era um pouco rebelde e ela um doce de mulher, me colocava de castigo numa cadeira ao lado dela e me dava balas de caramelo rsrs lmbro até hoje do seu perfume que me embriagava, teve uma outra professora Dna Mariza Alves Albano, nunca vou esquecer, era uma loira alta de olhos verdes, foi a primeira paixao da minha vida rsrs…tempos magicos.

          • jair asbahr 06/01/2016 at 09:43

            Olá Mauro. Nossos valores na época eram tão diferentes dos valores da meninada de hoje. Nosso universo era restrito. Hoje, basta acessar o gogloo e se tem a ciência e a história na telinha. A maior biblioteca do mundo está sendo colocada na tela la em Londres. Sei lá quais são os rumos. O MEc, recentemente, abandona a tradição dos relatos da cultura romana, da grega, dos egipcios e parece abraçar a oriental somente. Enfim… Saudações jairasbahr

            .

    • William E Zancarli 25/07/2014 at 22:51

      Mauro … grande amigo, gostaria de reencontrá-lo … nossa infância foi inesquecível …. faça contato … William Zancarli (filho do Nino e Dna. Ida)… veja pelo facebook…. abraços…

      Reply
  • Henrique Lima 24/07/2014 at 14:43

    Muito bacana essa incrível reportagem sobre essa vila operária em São Paulo. Logo agora que deixei de morar na capital paulista, ainda dar mais curiosidade de voltar. É extremamente importante preservarmos e cuidarmos de nossos patrimônios históricos e arquitetônicos, pois é cultura e, acima de tudo, nossa memória!!!!

    Reply
  • William E Zancarli 25/07/2014 at 22:48

    Pessoal …. a quem possa interessar, tentem contato com o Sr. Edélcio Vieira, contemporâneo meu e que ainda mora na Vila e tem tentado, incansávelmente, a restauração das escolas e outros prédios, quase desabando…. William Edison Zancarli …. nascido na vila em 1951 e morando lá até 1974, ainda com parentes morando lá…

    Reply
  • João José Candido de Araújo 20/09/2014 at 02:05

    Li a todos os comentários, ficando pasmo com o texto do Bruno. Realmente a arrogância e soberba dos membros, intelectuais de ocasião, que integram tais Órgãos governamentais, somente é comparada à subserviência como tratam os “invasores desocupados”, cuja origem é de todos desconhecida.Respeito à população paulistana.JJ

    Reply
  • Ana Monteiro 27/09/2014 at 15:30

    A estréia do novo espetáculo de Zélia Monteiro, bisneta de Jorge Street, está chegando!

    Sob o meu, o nosso peso – Memória na Vila Maria Zélia.

    Temporada de 4 de outubro a 15 de novembro, sábados as 18:00 e 20:00.
    Gratuito
    *Em caso de chuva, a apresentação será transferida para o domingo.

    Vila Maria Zélia (escola de meninas)
    Rua dos Prazeres, 362
    *transporte gratuito na estação Belém do Metrô as 17:30 e 19:30 (orientação com equipe de produção que estará de camiseta vermelha e logo do Núcleo de Improvisação na catraca).

    Reply
  • Marina Malb 12/10/2014 at 19:56

    Estou fazendo um projeto para a faculdade e gostaria de saber se o locais ainda estão abandonados. Será que alguém sabe?

    Reply
    • HERBET CATAPANO 14/10/2014 at 14:18

      NÃO QUE ESTEJAM ABANDONADOS, A VILA É ATIVA, APENAS ALGUNS EDIFICIOS FORAM DEIXADOS DE SEREM CONSERVADOS, COMO AS ESCOLAS DE MENINOS E A SAPATARIA, OS ARMAZENS – MAS AS CASAS TODAS TEM MORADORES, ASSIM COMO A IGREJA FUNCIONA TAMBEM O SALÃO PAROQUIAL

      Reply
      • Jair Asbahr 16/10/2014 at 06:38

        A familia catapano é tradicional do bairro Belenzinho, mais precisamente da Catumbi/Cachoeira. A maioria de seus membros senão tôda a familia foi cliente do meu o pai que mantinha consultório dentario na catumbi e depois na Rodrigo Cesar de Menezes. Aprendi a ler na Escola Maria Zélia com Dna. Cesarina. Quando prefeito de uma cidade de Minas me propus falar com o ministro da previdencia social para, em se criando uma associação de moradores, legalmente constituida, tentar umn comodato visando ressucitar as duas escolas; a primaria e a secundária Manoel da Nóbrega. Estive por algumas vezes na Vila e, ninguém lá se encontrava. Enfim, as águas passam e não voltam. Minhas forças físicas se esvaem …..”tempus fugit”. Toquem pra frente vcs que têmcondições. jair asbahr- saudações a todos.

        Reply
  • Fernando Teixeira da Silva 14/11/2014 at 14:49

    Foi com muita saudades e excesso de nostalgia, que fiquei ao descobrir este site, proporcionando feliz recordação de um jovem sonhador e esperançoso que naquela época aguardava pelo futuro ansiosamente. Estou me referindo dos áureos tempos da Vila Maria Zélia, época em que eu estudava no Colégio Manuel da Nóbrega, onde eu cursava o ginásio. Se alguém, que foi contemporâneo da minha época, deve se lembrar dos Diretores- Celso, Garrido

    Reply
    • Raul Ferreira Gomes 14/11/2014 at 19:35

      Oi Fernando, também sinto uma saudade nostálgica daquele tempo, também estudei no Colégio Manuel de Nóbrega, cursei os quatro anos no período noturno de química industrial, provavelmente já seja em um período posterior ao seu, não me lembro se a escola mantinha o curso ginasial na época, o diretor era o mesmo Prof. Celso Garrido.

      Reply
  • Fernando Teixeira da Silva 18/11/2014 at 13:45

    Caro Raul Ferreira Gomes, agradeço a valiosa atenção dedicada na sua resposta. Vou contar um pouco sobre minha passagem pelo Colégio Manuel da Nóbrega; (naqueles belos tempos!). Em 1961, fiz o curso de admissão ao ginásio: Colégio Saldanha Marinho, lembra?. No ano seguinte iniciei o ginásio no Manuel da Nóbrega até fins de 1964 quando houve a colação de grau na Universidade Mackenzie, até então, faculdade. O curso de química ficava do outro lado do pátio, portanto, oposto ao ginasial. Lembra-se que naquele pátio ficava o barzinho onde nós (coitados) comíamos o “delicioso” peito de peru na chapa.

    Reply
    • Raul Ferreira Gomes 24/11/2014 at 20:38

      Prezado amigo,
      Com certeza fomos contemporâneos, iniciei meu curso de Química Industrial no Colégio Manoel da Nóbrega no período noturno em princípios de 1964 e conclui o curso em 1967, ainda guardo com carinho a minha caderneta escolar (aquela de capa vermelha, lembra-se ?) Frequentei muito a famosa cantina, pois trabalhava o dia inteiro e ia para o colégio à noite, naturalmente com muita fome e que saudade daqueles saborosos lanches que comíamos acompanhados do famoso guaraná caçulinha da Antárctica ou eventualmente com uma 7UP. Tempos maravilhosos. Uma vez a cada trimestre alugávamos o campo de futebol (que era o único campo amador com iluminação, creio que de São Paulo inteira, onde fizemos memoráveis partidas de futebol noturno com o pessoal da nossa classe e eventualmente com outras classes do colégio. Exerci a profissão de químico por poucos anos pois logo em seguida fiz Administração de Empresas na Faculdade da Zona Leste (Atual UNIP) e ainda no decorrer do curso passei a exercer a profissão de administrador da mesma empresa de química em que trabalhava. Hoje, aposentado com 73 continuo a residir no Tatuapé e tive a oportunidade de visitar a querida Vila Maria Zélia com um misto de saudade e de decepção pelo estado de abandono que lá vi. No prédio abandonado e semi destruído em que tínhamos o nosso laboratório, cheguei a encontrar ainda alguns frascos abandonados com diversos produtos que usamos naquela auspiciosa época. Uma pena ! Valeu pelas recordações que, assim como você, ainda guardo com carinho em minha memória. Um grande abraço

      Reply
      • Fernando Teixeira da Silva 26/11/2014 at 10:46

        Raul, bem lembrado! guaraná caçula, 7 up, fome, etc. etc. Tirávamos de letra, afinal, éramos valentes e responsáveis!. Eu também guardei as carteiras de estudante da 1ª à 4ª séries só que as cores eram azuis. Tenho algumas fotos da formatura, inclusive uma em que aparecem os diretores Celso e Garrido. O campo a que você se refere, frequentei somente para assistir partidas. Lembro da iluminação que tinha defeito, com alguns pontos escuros que os “craque” reclamavam. A minha participação foi no futebol de salão e jogávamos na quadra do colégio. Abraços.

        Reply
  • Ecidir Moreno Impd 26/11/2014 at 22:08

    e um patrimonio que tem que ser preservado, e uma da Vilas nais Antigas, que existe nesta Grande São Paulo, e uma pena ver o Desprezos, e Estado em Decomposição , e um otimo lugar, poque atravessava por esta Vlia Maria Zélia, vamos cuidar desta Vila Maria Zelia, que e uma Historía muita bonita de muitos trabalhadores,, Daquelas, Epocas, e bacana mesmo,,muito bonita

    Reply
  • nicolov 07/01/2015 at 10:35

    Boa dia São Paulo Antiga.
    Li a matéria, achei sensacional.

    Gostaria de fazer um editorial na vila, alguém sabe me dizer com quem entro em contato para pedir a autorização de uso de imagem?

    Valeu!

    Reply
    • HERBET CATAPANO 07/01/2015 at 13:36

      Ao lado da igreja dentro da vila existe tipo de uma associação, onde normalmente eles expõe algumas coisas, tente se informar lá com alguém desta associação – com certeza eles poderão lhe dar uma luz.

      Reply
  • Fernanda Pena 21/01/2015 at 22:18

    Obrigada muito obrigada mesmo. Estudei na Escola de Meninas por trës anos, minhas professoras foram: Dona Amelia (2″ ano) Dona Ana Maria (3″ ano) e Dona Alice no 4″ ano. Depois fui estudar no Colegio Manuel da Nobrega, estudei apenas um ano (repeti o 1″ ano do ginásio) Latim, transferi-me p/ outro Colégio. Estudei no ano de 1955 até 1957, na Escola p/ Meninas e no ano de 1958 no Colégio Manoel da Nobrega. Tempo maravilhoso. Obrigada Deus por ter podido estudar na Vila Maria Zelia. Voltei no tempo. Vou dormir muito feliz. Fernanda Pena.

    Reply
  • Cleuza Sabino Biagini 28/01/2015 at 00:50

    Muito bom ver tudo isto, eu tambem estudei no Colegio Manoel da Nobrega, o diretor na epoca era o Prof, Garrido, tambem professor de portugues, prof.Celso , prof.Ana de trabalhos manuais, muita saudades, por volta de 61 , tambem meu irmão João, minha prima Neusa, minhas amigas, varias, iamos numa turma para o colegio de onibus Parque Novo Mundo, deixava nos na porta da Vila Maria Zelia

    Reply
  • Fernando Teixeira da Silva 28/01/2015 at 12:22

    Cleuza Sabino, muito bom ler o seu comentário sobre o Colégio Manuel da Nóbrega. Se você ler o que escrevi anteriormente, notará que a época que por lá passei foi a mesma – 1961 a 1964 em que completei o curso ginasial. Boas recordações, não é mesmo?

    Reply
  • ELIANE GOMES ORLANDINI 29/01/2015 at 02:20

    Após ter feito o Curso Omega para admissão ao ginásio(naquela época as escolas estaduais eram muito concorridas) e não ter conseguido entrar em nenhuma escola estadual fui matriculada no Colégio Manuel da Nobrega.Nem percebia mas para meus pais deve ter sido difícil arcar com aquela despesa.Eram os anos 60 e nem podia imaginar que passaria a melhor época da minha vida assistindo as aulas do senhor Alceste diretor e professor de francês .dizia ele:”biquinho de chupar ovo” para pronunciarmos bem o francês.Trocavamos as provas na frente do professor de desenho(prof.Garrido)e ele fingia não ver.Prof.Celso me fez perceber que viajar era maravilhoso com suas aulas de geografia.Quanta saudades!Agora tenho 61 anos mae de 2 filhos avo de uma neta de 11 anos e moradora em uma cidade do interior paulista:Hortolandia.Tenho amizades daquela época ate hoje.Minhas melhores amigas com a mesma idade minha , mães , avos.Se alguém lembrar daquela menina alta que morava na rua Siqueira Bueno( hoje a FAME derrubou todas as casas)inclusive a que eu morava.Gostaria de comunicar com vocês.meu email: egoorlandini@yahoo.com.br

    Reply
  • Elizabeth Graceffi Blanco 15/02/2015 at 19:20

    Estivemos hoje (15fev2015) na Vila Maria Zélia, patrimonio que já deveria ter sido restaurado e preservado! Uma das Vilas mais Antigas entregue ao descaso e desprezo. Seu trabalho nesta matéria, como tantas outras, é excelente Douglas Nascimento. Pena não termos nada para publicar com final feliz como a Casa das Caldeiras!!!

    Reply
  • Back to 70´s | 26/03/2015 at 07:31

    […] uma poderosa tecelagem. Se tiverem curiosidade em saber um pouco da história da vila, acessem em Vila Maria Zelia. As roupas do ensaio saíram do meu acervo pessoal. São dois macacões bem “era disco”, a lá […]

    Reply
  • darci Gomes rodrigues 02/05/2015 at 23:16

    Estudei no maria zelia os 4 anos primario mas so me lembro duas professora Amelia e Arminda

    Reply
  • cleper 07/05/2015 at 20:16

    Estudei o ginásio e o científico no colégio Manuel da Nóbrega. Foram anos muito felizes.Quem não lembra da festa da Bomba,dos bailinhos nos sábados a tarde,dos campeonatos de vôlei. Quantas Saudades.

    Reply
  • Momentos Mais Marcantes | 10/05/2015 at 12:07

    […] dia foi a peça que assistimos, “Hygiene”. Montada pelo Grupo XIX, cuja sede fica na Vila Maria Zélia, a peça foi totalmente diferente de qualquer coisa que eu jamais tinha visto. Para começar, não […]

    Reply
  • Estudo do Meio – Momentos mais marcantes – Eli – 10/05/2015 at 16:05

    […] desses dois bairros e depois fomos para uma antiga vila operária na zona centro/leste chamada Vila Maria Zélia. Ali, assistimos a peça de teatro Hygiene do grupo XIX e depois tivemos uma discussão sobre a […]

    Reply
  • Sidney L. Santos 29/05/2015 at 14:24

    Estudei no Colégio Manuel da Nóbrega (CMN) entre os anos 69 e 75 e depois fiz supletivo em 79 e 80, muitas saudades de todos os alunos e mestres da época, professores e diretores: Celso Barbiere (Geografia), Manoel Garrido (Inglês), Celso Gaviolli (Francês, português e latim), professores: Vicente (História), Camargo e Oscar Barbiere (Ed.Física) entre outros. Dna. Irene e Dna. Leonor eram as assistentes, na cantina o Roberto e sua esposa, na secretaria Dna. Ligia. Lamentável ver as fotos das ruínas, dói no coração. Lembro que nos fins dos anos 70, os diretores pretendiam comprar o prédio do INPS para fazer uma faculdade. Saudações a todos os ex-alunos. Sidney

    Reply
  • Vagner Guarnieri 11/06/2015 at 15:36

    Sou Técnico em Edificações, estudante na Área de Engenharia Civil e trabalho em uma Construtora na área de Projetos e Obras, tenho muito interesse por restauro, gostaria de contribuir de alguma forma, como voluntário, no processo de restauro da Vila, ou de alguma edificação ali existente.

    Deixo meu contato guarnieri.eng@gmail.com

    Um grande abraço

    Reply
  • Lauro Nelson Levy dos Santos 02/07/2015 at 01:40

    Excelente trabalho Douglas Nascimento, está de parabéns, gostaria de entrar em contato com o Mauro Pietrobon e dom os amigos Willian e Dagoberto Zancarli, pois morávamos no Maria Zélia Ruas 2 e 3 e éramos muitos amigos quando crianças. Meu nome Lauro (conhecido pelo apelido de meu pai Sr. Dyonisio como Raspadinha, devido ao cabelo cortado estilo pracinha americano). Não sei se meus comentários sobre a Vila apareceram mas, como foi muito longo, acho que não, Mais uma vez meus parabens por tão belo trabalho Duglas.

    Reply
    • thays 20/01/2017 at 09:44

      Olá, minha bisavó morou na Rua 3. Atualmente você sabe como essa rua se chama?

      Reply
  • Back to 70´s – Doce EstranhezaDoce Estranheza 12/07/2015 at 21:33

    […] uma poderosa tecelagem. Se tiverem curiosidade em saber um pouco da história da vila, acessem em Vila Maria Zelia. As roupas do ensaio saíram do meu acervo pessoal. São dois macacões bem “era disco”, a lá […]

    Reply
  • CARLINDO COSTA DE ANDRADE PEZEIRO 10/08/2015 at 20:11

    Gratas recordações para quem estudou no Ginásio Manuel da Nóbrega na Vila Maria Zélia entre os anos de 1946 e 1950. Saudades dos tempos em que faziamos ginástica no campo do Maria Zélia e onde o Corinthians as vezes treinava no campo do STIFT (?) existente próximo ao mesmo ali na Vila.

    Reply
    • heitor felippe 11/08/2015 at 16:58

      Oi Carlindo, bôa tarde, matando sua curiosidade: O campo do STIFT pertencia ao Sindicato dos Trabalhadores da Industria de Fiação e Tecelagem (S.T.I.F.T.), era ao lado do campo do Maria Zélia e as cores do clube eram vermelho e branco

      Reply
  • DEUSDETE SANTOS SOUZA 10/09/2015 at 20:22

    Meu nome: Deusdete Santos Souza, hoje tenho 74 anos, sou médico, formado em 1972, pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia.
    Tenho boas lembranças do COLÉGIO MANOEL DA NÓBREGA (Precisamente, ESCOLA TÉCNICA DE QUÍMCA INDUSTRIAL MANOEL DA NÓBREGA), onde me formei: TÉCNICO EM QUÍMICA INSDUSTRIAL, em 1965, fazendo parte da PRIMEIRA TURMA DE QUÍMICA INDUSTRIAL(1962 a 1965) tendo colado GRAU, EM Março de 1966, no TEATRO LEPOLDO FROES, quando tive a HONRA de ser o ORADOR DA TURMA.
    Era Diretor do Colégio, Prof. CELSO BARBIERE (Professor de História). Mas, guardo ainda na lembrança daqueles dias, as imagens dos Professores: MANOEL GARRIDO (Português), ALCESTE ( se não me engano, Prof. de Geografia), Prof. GIL ( Ensinava QUÍMICA, com maestria), entre outros. Lembro-me ainda, que ao lado Colégio, Funcionva da GOOD YEAR, Fábrica de Pneus.

    Reply
  • CARMEN RUIZ 21/11/2015 at 21:56

    CARMEN RUIZ
    ENTREI NO COLEGIO MANOEL DA NOBREGA DE PROPRIEDADE DA FAMILIA AQUINO EM 1951 NO PRIMEIRO ANO GINASIAL, EM 1952 NAO PUDE ESTUDAR POR PROBLEMAS FINANCEIROS DA MINHA FAMILIA E RETORNEI EM 1953 E EM 1954 MEU PAI LEOPOLDO RUIZ FOI TRANSFERIDO PARA BAURU E LA FICAMOS POR 10 ANOS E ENTAO PERDI O CONTATO DO COLEGIO.JAMAIS ESQUECEREI DOS TEMPOS QUE LA PASSEI E DA FORMAÇAO QUE ME FOI DADA COM ESMERO POR TODOS OS PROFESSORES E PELA FAMILIA AQUINO!
    SOU MEDICA OFTALMOLOGISTA EM SANTO ANDRE E MORO EM SAO BERNARDO DO CAMPO HA 50 ANOS E TENHO 77 ANOS BEM VIVIDOS E TRABALHO TODOS OS DIAS DA SEMANA.
    PENA QUE NAO TENHA DADO CERTO TODAS AS TENTATIVAS PARA REVITALIZAR A VILA MARIA ZÉLIA!
    SE EU PUDER AJUDAR EM ALGUMA COISA CONTE COMIGO
    ABRAÇOS A TODOS COLEGAS DO COLEGIO MANOEL DA NOBREGA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Reply
  • Lucas Franco 15/12/2015 at 20:40

    Qual o endereço da escola dos meninos?

    Reply
    • herbet catapano 16/12/2015 at 16:29

      Desculpe voce quer dizer o antigo endereço da escola dos meninos, pois desde ha muito ela já não existe mais, mas era na rua 2

      Reply
      • jair asbahr 17/12/2015 at 18:03

        É isso aí Herbert. Naqueles tempos havia a Escola dos Meninos e das Meninas.

        Reply
  • Teddy Del Vacchio 01/01/2016 at 20:41

    Boa noite, estive ontem dia 31 de dezembro de 2015 na vila e parece que houve um incêndio na escola dos meninos …. o prédio esta em estado lastimável !!! tirei fotos e depois posso manda-las

    Reply
    • Douglas Nascimento 02/01/2016 at 18:22

      Olá Teddy, como vai ? mande para douglas ARROBA saopauloantiga.com.br
      Abraços

      Reply
  • A Viagem: DIA 3 – Falta de Antolha ou Falta de Escolha? 22/05/2016 at 23:30

    […] apresentação fora realizada ao ar livre na Vila Maria Zélia, espaço isolado do caos da cidade. O seu título era “Hygiene” e ela era realizada […]

    Reply
  • Marcelo 09/03/2017 at 17:22

    Na foto 57, uma das integrantes da ESCOLA DE MENINOS, pode-se ver um painel de azulejos com o logotipo da Coca-Cola, o que se pressupõe ser a lanchonete ou refeitório da escola e, consequentemente, esta instalação não ser tão antiga como o resto da construção.

    Reply
  • Matheus Rufino 19/10/2017 at 14:56

    Quem é essa fonte “Monte Domecq & Cia”? Estou fazendo um documentário sobre a Vila e gostaria de ter acesso a essas imagens em alta resolução. Essas fotos estão no acervo de algum museu?

    Att.

    Reply
    • Douglas Nascimento 21/10/2017 at 09:04

      Monte Domecq & Cia são os donos da editora – homônima – que bancou o livro à época. Eram de Barcelona e bancaram livros similares também em outros países da América Latina, como Peru.
      O livro é muito raro e não sei te dizer quem o tenha pra consultar além do que eu tenho aqui no acervo. Nós temos aqui todas as imagens digitalizadas em alta e os originais em papel.

      Reply
  • Danilo Brandão 19/02/2018 at 11:21

    Achamos a vila muito legal, gostaria de realizar um ensaio fotográfico lá, alguém sabe o contato dos responsáveis para entrarmos em contato e tentar agendar essa sessão, sabem informar se precisamos arcar com alguma taxa pra execução dessas fotos?

    Reply
    • William Zancarli 20/02/2018 at 10:17

      Entre em contato pelo Facebook com Edelcio Pereira Pinto, Seu dedé, ele é responsável pelas visitas monitoradas… diga-lhe que a informação partiu de William Zancarli…. abraços

      Reply
  • Erika Woelke 03/05/2018 at 13:24

    Tem um vídeo no Youtube disponível sobre os 100 anos da Vila. https://www.youtube.com/watch?v=0a2uh5CFF7s

    Reply
  • Marisa cristina consoni 22/07/2018 at 14:39

    Adoro conhecer as historias das Vilas e bairros de Sao Paulo
    Obrigada por mais essa

    Reply
  • Rosicler 25/07/2018 at 16:25

    Oi Douglas pode visitar o local ?

    Reply
    • Douglas Nascimento 25/07/2018 at 16:37

      Sim,é um bairro normal. Tem cancela na entrada para carros mas pedestres entram normalmente.
      Se for de carro basta falar que veio conhecer a vila, se identificar e liberam seu acesso.

      Reply
  • Levino Brandão 26/07/2018 at 14:42

    Estudei no Colégio Manuel da Nóbrega, no interior da Vila Maria Zélia, nos anos 60. Pena não se ter preservado este “cantinho” tão nostálgico e agradável da megalópole paulistana. Seu aspecto londrino era algo bem diferente das construções fora da vila. Parecia um outro mundo ali encravado. Se o governo cuidasse de seu patrimônio urbanístico, ali certamente seria um ponto turístico importante…

    Reply
  • Vanessa Lima Melo 14/08/2018 at 00:26

    Eu morei na Rua João Boemer e entrei na vila pela primeira vez, ontem. Entrar lá e ver as escolas e o armazém abandonado parece viajar no tempo há um século atrás …

    Reply
  • João Turatti Júnior 15/09/2018 at 18:33

    Meu é João Turatti conheci a Vila Maria Zélia em 1950, e realmente era muito bonita. Agradeço pela excelente matéria, me fez relembrar os idos bons tempo da cidade de São Paulo.

    Reply
  • Lan Succi 28/09/2018 at 11:53

    Parabéns pela matéria. Gostei de saber a história desta Vila.

    Reply
  • joão pelliicciari neto 20/10/2018 at 01:50

    eu estudei no Colégio Manuel de Nóbrega ( antigo dos meninos )…entre 1974 e 1975…2º e 3º colegial noturno…posteriormente me formei arquiteto…..é doí demais o estado dos prédios no local….restaurando os prédios comerciais…já estaria….as moradias é mais complicado…..

    Reply
  • Diego de Araujo Silva 07/11/2018 at 20:56

    Queria saber se existe possibilidade de fazer forografias lá , se precisar de autorização ou algo do tipo ! Obrigado !

    Reply
  • Yara Gouvea Gomes Mazzocato 09/11/2018 at 16:36

    Boa tarde! Parabéns pelo excelente trabalho…amo viajar por SP…minha terra natal…nasci no Brás…Rua 21 de abril, e morei com meus pais na Vila Maria Alta e depois com 4 anos nos mudamos para o Jdm Grimaldi, ZL, àquela época haviam mts chácaras por lá…fomos morar num conjuntinho habitacional no PqLuis Muciollo…porém em 79 nos mudamos oara o interior paulista, Torrinha(próxima a Brotas) e então para Pernambuco. Onde moro há quase 17 anos…
    Por isso o saudosismo, naquela época ñ tí hamos câmeras digitais/celulares…então poucas fotos da minha infância.
    Daí … queria muito saber se vc tem fotos da Av Sapopemba/Jdm Grimaldi e adjacências nos anos 60/70?
    Vc tem???
    Tomara muito q sim!!!

    Reply
%d blogueiros gostam disto: