Hoje muitas ruas do centro histórico da Cidade de São Paulo deixaram de ser vias de tráfego de automóveis para servirem apenas como calçadão para pedestres. Uma delas, bastante conhecida do paulistano é a João Brícola, pequena rua que liga as Ruas Quinze de Novembro e Boa Vista.

As fotografias abaixo traçam um comparativo entre a década de 40, quando a via ainda era aberta ao trânsito de veículos, e o ano de 2013.

clique para ampliar

clique para ampliar

Para você estas ruas do centro eram melhores quando abertas aos veículos ou como hoje, apenas para pedestres ? Deixe seu comentário!

Créditos: Foto 1 – Foto Postal / Foto 2 – São Paulo Antiga

Sobre o autor

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, é presidente do Instituto São Paulo Antiga e membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comentarios

  • Fernando Reis 06/09/2013 at 17:06

    Bom trabalho, Douglas. E é interessante observar que o edifício “antigo” já foi moderníssimo naquele mesmo cenário.

    Reply
  • Osmar Campezato 06/09/2013 at 18:02

    São tempos diferentes, não há como comparar… Na década de 40 seria desnecessário sua utilização somente ao pedestre, no entanto, atualmente seria imprudente abri-la aos veículos.

    Reply
  • Claudio Cardoso Saddi 06/09/2013 at 21:24

    A Foto 2 sem automóvel!

    Reply
  • Ivan. 09/09/2013 at 15:52

    Creio que, se ainda fossem abertas a passagem de veículos, talvez as vias que foram transformadas em calçadões estivessem mais povoadas e “seguras”.

    Reply
  • Luciano 10/09/2013 at 05:05

    Se é calçadão, o que faz aquela placa de 20km/h ali? O que diz na placa logo acima dela? E o que diz a placa amarela?

    Reply
    • Paulo 11/09/2013 at 09:04

      Embora fechada ao tráfego, os carros oficiais circulam por elas. Carros fortes, polícia, etc.

      Reply
    • Solange Bueno 14/11/2013 at 18:15

      No edifício que funcionava o Banco São Paulo, hj funciona a Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo e, por vezes, há a entrada de carros oficiais estaduais e municipais, inclusive do secretariado.

      Reply
  • Ronei Falvino 28/02/2018 at 10:02

    Veículos motorizados podem circular nesta rua mas a prioridade absoluta é aos pedestres
    Os calçadões do centro receberam, desde a inauguração em 1972, o maior volume de pedestres do mundo.
    É absurdo imaginar estas vias com tráfego normal de carros.

    Reply
    • Ronei Falvino 28/02/2018 at 10:03

      Na verdade foi em 1976

      Reply
  • Antonio Costa 08/06/2020 at 18:32

    Pedestres, sem duvida. O Centro tem potencial turistico e a interferencia de trafego automotivo, mais a fuligem de monoxido de carbono que ataca a alvenaria e marmores, isto e mais o ruido de motores e o aumento da temperatura que tal concentracao provoca.

    Voce pode manter os corredores de transmissao ( Av. Sao Joao, Rio Branco, Prestes Maia, 23 de Maio, Angelica, Amaral Gurgel, Barao de Limeira, Av, Sao Luiz, Av. Ipiranga, entre outros ) abertos ao trafego veicular.

    O Centro, da Praca do Correio ate o Vale do Anhangabau e a Ladeira General Carneiro passando pela Se, nao presicindem de veiculos, excecao aos Taxis e Veiculos de Carga Leve.

    Alias, em beneficiando o comercio local, eu contemplaria em fechar a R. Jose Paulino, Florencio de Abreu.

    Alias, poderiam se abrir concessoes para Pedicab ( Ruiquixa de Bicicleta ), carrugagens, porem fora dos calcadoes.

    http://www.bostonpedicab.com/
    https://www.nychorsecarriageride.com/
    https://apureguria.com/asia/transporte-em-bangkok/

    Reply
%d blogueiros gostam disto: