A cada dia que contamos a história de uma construção antiga de São Paulo tenho a certeza de que o paulistano pouco conhece a história de sua cidade. Fosse isso diferente um prédio desta magnitude e relevância teria muito mais destaque no dia a dia das pessoas.

Então vamos apresentar aqui este que consideramos um dos mais relevantes, se não o mais, patrimônio histórico do bairro do Brás:

foto 1 – clique na foto para ampliar

Localizado no número 105 da Rua Piratininga, esta construção de 1916 abriga o Fórum Brás das varas especiais da infância e juventude e passa a impressão de que o poder judiciário sempre esteve ali abrigado.

Entretanto a origem do prédio tem a ver com a educação e com uma série de acontecimentos interessantes que fazem do lugar algo a ser não só contemplado, mas divulgado e visitado.

Foto 2 – O imóvel em 1917, a mureta da foto não existe mais

Inaugurado em 1917 o imóvel originalmente abrigou a Escola Profissional Masculina, importantíssima instituição de ensino profissionalizante da Cidade de São Paulo. Entretanto a entidade não começou nem neste ano e nem neste lugar e para isso vamos contar a história desde seu primeiro edifício, não muito longe deste aqui.

A ORIGEM – RUA MILLER

A Escola Profissional Masculina tem início em novembro de 1911, em uma construção bem mais modesta na Rua Miller, do outro lado das porteiras do Brás, junto ao conhecido Largo da Concórdia.

Foto 3 – Diretor e alunos diante da escola na Rua Miller em 1913

Na instituição eram ministrados cursos profissionalizantes de mecânica, funilaria, fundição, eletricidade, marcenaria, serralheria e até construção de estruturas tumulares.

Seu primeiro grande diretor e que ficou no cargo por longos anos foi o admirável professor Aprígio Gonzaga, cujo nome foi dado a uma importante ETEC do bairro paulistano da Penha.

Já em seu primeiro ano de funcionamento a instituição teve suas vagas preenchidas por completo, o que rapidamente demonstrou a necessidade da ampliação das estruturas – ou de um novo local – para um futuro próximo.

Foto 4 – Raríssima imagem da velha escola da Rua Miller em 1913 (clique para ampliar)

Foi no ano de 1913 durante uma visita de autoridades paulistas e federais que se identificou a necessidade de ampliação da escola, mas ao invés de se reformar o local atual e ter que interromper as aulas, decidiu-se pela construção de um novo prédio no mesmo bairro. O local escolhido foi uma área na Rua Piratininga.

UM NOVO PRÉDIO PARA A ESCOLA

As obras para a construção da nova escola se deram bem no início de 1916, durante o último ano do então Presidente do Estado, Rodrigues Alves (PRP). Os trabalhos em ritmo acelerado seguiriam por cerca de 18 meses sendo que a nova escola estaria pronta no ano seguinte, já na gestão de seu sucessor.

A inauguração deu-se na tarde de 1 de dezembro de 1917, em um cerimônia que contou com diversas autoridades paulistas como o Presidente do Estado Altino Arantes, o deputado Freitas Valle, o diretor da instituição Aprígio Gonzaga entre tantos outros. A festividade também contou com premiação dos melhores alunos do ano letivo que se encerrava.

Foto 5 – Inauguração da nova escola (a seta indica o Dr. Altino Arantes)

As aulas no novo espaço se iniciaram já no começo do ano letivo seguinte, em 1918, com uma breve interrupção em outubro durante a epidemia de gripe espanhola que abateu a capital paulista.

Em nova sede a Escola Profissional Masculina rapidamente se destacou no cenário paulistano com feitos dignos das melhores escolas do mundo. A reputação da escola também levou a prefeitos de outros municípios paulistas a solicitarem a construção de escolas similares em suas respectivas cidades.

Não era raro, também, a visita de presidentes de outros estados para conhecer o sistema educacional desenvolvido pelos paulistas.

Foto 6 – No frontão o ano da construção (clique na foto para ampliar)

A escola receberia ao longo dos anos figuras conhecidas do Brasil, como Alfredo Volpi, Francisco Rebolo Gonsales e até o grande jogador de futebol Arthur Friedenreich (sobre estes dois últimos falaremos mais no final deste artigo).

Por diversas vezes o nome da escola foi mudado no decorrer de sua trajetória, sendo que o nome o qual é mais conhecido Escola Técnica Getúlio Vargas viria no ano de 1941, logo após a segunda visita do então Presidente da República à instituição, como forma de homenagea-lo.

Foto 7 – Detalhe da fachada (clique para ampliar)

Outras mudanças de nome prosseguiriam ao longo dos anos até chegar a seu nome atual ETEC Getúlio Vargas, em 2007, após decreto do então Governador de São Paulo José Serra (PSDB).

Apesar da estrutura do prédio ser excelente para abrigar uma instituição de ensino até os dias de hoje o prédio deixou de ter esta função em 1982 quando a entidade é transferida para o bairro do Ipiranga, na Rua Moreira e Costa.

A partir deste momento a edificação da Rua Piratininga passa a ter um lento processo de deterioração e a ter diferentes finalidades antes de abrigar o fórum que lá está atualmente.

A mais conhecida delas foi ser durante longos anos uma unidade da FEBEM. O local chegou a ser apelidado de “mini Carandiru” pelas condições pouco dignas que os jovens infratores tinham no espaço. A unidade prevista para comportar 600 adolescentes chegou a abrigar 1600.

Foto 8 – O prédio antes de começar a ser restaurado (clique para ampliar)

Antes mesmo da restauração o prédio já passou a abrigar ali o Fórum Brás (varas especiais de infância e juventude). Atualmente o prédio está restaurado em excelente estado de conservação, tal qual ilustram as fotos 1, 6 e 7 deste artigo.

O único ponto negativo, diga-se, é a ausência da antiga mureta e seu gradil que existia junto à calçada (veja foto 2) que é muito parecida com as muretas de outras escolas antigas aqui de São Paulo.

Existiu também, neste mesmo bairro, a Escola Profissional Feminina. Esta outra instituição será tema de um artigo muito em breve.

A PORTA DO EDIFÍCIO É UMA BELA OBRA DE ARTE

Se o prédio em si já é uma construção de grande valor arquitetônico para a Cidade de São Paulo, o que dizer desta magnífica obra de arte que é a sua porta de entrada:

foto 9 – a porta de entrada

Projetada e produzida pelos próprios alunos da Escola Profissional Masculina, a porta representa vários símbolos e momentos da história do Brasil, bem como os principais cursos que eram oferecidos pela instituição.

Na bandeira da porta é possível ver além do ano de 1933, um sol sendo ladeado por quatro dos ofícios ali lecionados, como mecânica, escultura, pintura e serralheria.:

foto 10 – clique para ampliar

Nas laterais da porta observam-se duas caravelas com a inscrição 1500 – ano do descobrimento – sobre elas. Ao centro vemos duas vezes o Brasão de Armas da República e sobre eles dois bichos da seda (ou abelhas ?).

foto 11 – laterais da porta

Por fim na parte inferior do portão vemos quatro diferentes cenários do Brasil, sendo dois índios, o Rio de Janeiro e um último que infelizmente não consegui identificar.

foto 12 – base da porta de entrada

*1 – Não encontramos nenhuma explicação referente ao ano de 1933 grafado na bandeira da porta, pois a porta está lá desde 1916. Quando encontrarmos essa informação este conteúdo será atualizado.

CURIOSIDADE 1 – O PRIMEIRO CARRO BRASILEIRO ?

A qualidade de ensino desta importante instituição que hoje é a ETEC Getúlio Vargas e o talento de muitos de seus alunos, já se em seus primeiros anos.

Em 1917 alunos de mecânica desenvolveram nas oficinas da Rua Piratininga aquele que provavelmente foi o primeiro carro brasileiro, denominado de “Baratinha“.

foto x – a famosa “baratinha”

Infelizmente informações técnicas sobre o citado veículo são dificílimas de encontrar, bem como qualquer outra fotografia além desta acima.

Teria sido uma carroceria brasileira sobre o chassis de um carro estrangeiro (algo que era feito com frequência em oficinas cariocas) ou seria um carro completo ? E mais, onde estaria este automóvel ? Sobreviveu ou como é praxe no Brasil, teria virado sucata ?

Caso saiba de alguma informação, entre em contato conosco.

CURIOSIDADE II – BOLEIROS FAMOSOS DA INSTITUIÇÃO

Dois jogadores de grande prestígio na história do futebol passaram pelas fileiras da Escola Profissional Masculina. O primeiro deles a aparecer por lá foi Francisco Rebolo Gonsales (*1902 +1980).

Rebolo, como era mais conhecido nos gramados, jogou pelo Corinthians de 1921 a 1927. Ao aposentar as chuteiras foi para esta escola com o intuito de se formar um artista, talvez o mais importante e conhecido trabalho artístico dele seja o escudo do Sport Club Corinthians Paulista. O símbolo alvi-negro ainda sofreria algumas alterações até os dias atuais.


Considerada a primeira estrela da história do futebol brasileiro e o maior goleador de todos os tempos, Arthur Friedenreich, foi funcionário da Escola Profissional Masculina por vários anos, em uma época que não se obtinha independência financeira jogando futebol.

Ele foi nomeado escriturário da escola no ano de 1920.

ANEXO 1 – FOTOS INTERNAS DA INSTITUIÇÃO

Aula noturna de desenho
uma das salas da instituição (clique para ampliar)
oficinas (clique para ampliar)
Professor Aprígio Gonzaga, primeiro diretor desta instituição

Bibliografia consultada:

* O Pirralho – Edição 0075 (1913) – pp 21, 40
* O Pirralho – Edição 0121 (1913) – pp 10, 11
* Correio Paulistano – Edição 19451 (1917) – 1/12/1917 – pp 9
* A Vida Moderna – Edição 0326 (1917)
* A Vida Moderna – Edição 0420 (1921)
* A Vida Moderna – Edição 0446 (1923)
* A Gazeta – Edição 04379 (1920) – pp 2
* A Gazeta – Edição 04459 (1920) – pp 1
* ETEC Getúlio Vargas – link visitado em 14/05/2020
* Centro Paula Souza – link visitado em 14/05/2020
* Meu Timão – link visitado em 15/05/2020

Este artigo foi produzido com muitas horas de trabalho e pesquisas de campo, que demandam um alto custo. Se você gostou do trabalho publicado aqui, por favor considere fazer uma doação. Sua ajuda é fundamental para que o Instituto São Paulo Antiga continue trazendo mais conteúdos como este.

Basta ler o QR Code abaixo e fazer uma doação de qualquer valor:

Sobre o autor

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, é presidente do Instituto São Paulo Antiga e membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comentarios

  • Wagner Coelho 15/05/2020 at 16:26

    A paisagem não identificada na base da porta parece ser a ponte pênsil localizada em São Vicente, litoral de São Paulo.

    Reply
    • Douglas Nascimento 15/05/2020 at 18:00

      é bem possível!

      Reply
  • alphaunoVictor Saeta de Aguiar 15/05/2020 at 17:01

    Caro Douglas…estudei na Escola Técnica Getúlio Vargas nos anos de 1954 a 1956. Para chegar lá pegava o Bonde 9 Moóca na Praça Clovis Beviláqua. Esse prédio era onde ficavam as oficinas de aulas práticas de marcenaria, mecanica, fundiçao, eletricidade, rádiotécnico, serralheria, etc. Esse prédio era exclusivo para essas aulas. No prédio nº 85 ficavam as salas de aulas de Ciência, Português, Música,matemática, etc. Era um curso básico aliado aos cursos profissionalizantes. A Piratininga já era uma rua destinada ao comércio de ferros e máquinas. Obrigado por ter-me trazido lembranças adormecidas. Maravilha!!

    Reply
  • Elizabeth Florido 15/05/2020 at 20:51

    Estou profundamente grata por mais esse conteúdo maravilhoso e relevante, em especial por tratar de um bairro como o Brás, que tem uma força afetiva muito grande em minha vida, por conta da história de meus avós espanhóis maternos, e de meus pais. Também porque, antes de acabar o ano, realizei, pela primeira vez, um roteiro guiado que saiu da Mooca e fez todo um caminho a pé de redescoberta do Brás, a partir da Rua Piratininga, passando por diversos locais, incluindo esse lugar que detém um histórico incrível, que pra mim foi uma redescoberta impar. O ‘re’ porque tios meus, irmãos da minha mãe, estudaram ali, e ‘descoberta’, por levantar pesquisas que me levaram a conhecer o que está bem colocado aqui no texto e a produção dos estudantes, de um primeiro protótipo brasileiro, de quem ali estudou, entre eles, Francisco Rebolo que, além de jogar bola, foi artista, um dos fundadores do importante Grupo Santa Helena, do qual Alfredo Volpi – aquela das bandeirinhas – fez parte, era de origem espanhola como a minha família, e criou o escudo do time de futebol mais popular, o Corinthians. Parabéns, Douglas!

    Reply
  • FRANCISCO ANTONIO ROXO SANTOS 15/05/2020 at 22:53

    Como é salutar voltar através de História e Fotos ao passado.
    Poderia FAZER UM LIVRO.
    PARABÉNS!

    Reply
  • Claudio 16/05/2020 at 09:48

    Adorei esta reportagem, muito rica e esclarecedora. O cenário na porta, deve ser mesmo a Ponte Pencil de São Vicente. Parabéns!

    Reply
  • Marcelo 16/05/2020 at 10:05

    À parte a exclusão da mureta, a construção é pelo menos bem bonita externamente. A história também merece consideração.

    Reply
  • João 16/05/2020 at 15:56

    Nota-se em uma das fotos antigas (encoberta por uma árvore) que existia uma cobertura, provavelmente também de metal trabalhado, na porta de entrada. Infelizmente não sobreviveu, sendo substituída por uma de alvenaria conforme fotos mais novas. Eu procurei outras fotos na internet e, mesmo não possibilitando uma visão perfeita, nota-se o fato.

    Reply
  • Renato 16/05/2020 at 22:43

    O muro foi, provavelmente, retirado para formar o estacionamento em frente ao prédio. Em que ano isto teria ocorrido?

    Reply
  • Sandra Maria Domingos 18/05/2020 at 07:08

    Trabalho neste prédio há 20 anos e fiquei muito feliz em conhecer a história. Parabéns pela excelente pesquisa.

    Reply
  • Paulo Clístenes Vieira da Silva 19/05/2020 at 18:14

    Linda história de uma fase próspera do ensino profissionalizante de nível médio, tão importante mesmo nos dias de hoje.

    Reply
  • Soledade 28/05/2020 at 19:15

    Parabéns Douglas! Excelente trabalho!

    Reply
  • RENATO BRAZ FERREIRA 08/06/2020 at 09:45

    Parabens, boas informações da história de Sampa. Obrigado.

    Reply
  • CLAUDIA GUZZARDI ALTIERI 03/08/2020 at 19:15

    Caro Douglas, adorei ler sobre o prédio em que trabalho. Dentro, na entrada, há uma placa de bronze na parede com data e nomes dos antigos diretores. A porta é uma das coisas mais lindas deste prédio. Porém, nunca houve adolescentes internados nele. Havia no prédio ao lado, inclusive com a superlotação absurda e grotesca que você citou.
    Este prédio do Fórum, no 105 da Piratininga, já foi um centro de formação profissional da antiga Secretaria do Menor, posterior Secretaria da Família, Bem estar Social. Também foi utilizado pelo antigo serviço SOS Criança, e depois finalmente instalou-se nele o Fórum.

    Reply
    • Douglas Nascimento 04/08/2020 at 09:20

      Olá Claudia, mande uma foto da placa para colocarmos aqui no artigo. Abraços

      Reply
    • Douglas Nascimento 04/08/2020 at 09:20

      Olá Claudia, mande uma foto da placa para colocarmos aqui no artigo ? Abraços

      Reply
%d blogueiros gostam disto: