A transformação constante da paisagem urbana da capital paulista pode ser chocante, especialmente quando vemos comparativos de certas regiões do centro paulistano onde a mudança foi brutal.

Tome-se como exemplo a imagem abaixo, da Rua Cel Xavier de Toledo, esquina com a Rua Bráulio Gomes, já no distante ano de 1926:

Foto: Acervo Museu da Energia e Saneamento

Na imagem podemos conferir uma Rua Xavier de Toledo bem desértica, com obras na calçada (que é bem estreita, diga-se de passagem) e vemos os trilhos de bondes instalados sobre o calçamento de paralelepípedos da via. As obras em questão são para a instalação de galeria subterrânea para a rede elétrica.

No lado esquerdo da foto um homem uniformizado e uma criança observam o trabalho do fotógrafo, diante do que parece ser uma mercearia. Já ao fundo da imagem vemos um prédio, o maior da rua bem naquele tempo, onde hoje é a entrada das escadarias do Metrô Anhangabaú. Por fim do lado direito, vemos após o paredão o casario da rua que dá acesso ao famoso Largo da Memória.

Viajando quase um século no tempo, chegamos a imagem abaixo do ano de 2020:

Foto: Reprodução Google Street View

Incrível como simplesmente tudo mudou em um século. Nada do que é observado na foto de 1926 é encontrado na imagem atual.

O calçamento é diferente – bem mais largo e decente para os pedestres – e o paralelepípedo deu lugar ao asfalto. Os trilhos de bonde desapareceram pois o que circula por ai desde a segunda metade da década de 1960 são os ônibus.

As casas baixas da primeira foto desapareceram por completo e até a iluminação da época – que era suspensa por cabos de aço – foi trocada pelos famosos “Postes da Light” tão belos e tão mal cuidados.

Por fim o único edifício que aparece na imagem de 1926, bem no centro da foto, também não está mais por ali. Foi demolido para dar lugar as escadarias da estação do metrô.

Abaixo você pode arrastar as duas imagens juntas para observar melhor as transformações:

arraste para os lados para ver as mudanças

NOTA:
*1 – O prédio que mencionamos lá no meio do artigo foi projetado por Ramos de Azevedo e pertenceu a família Cardoso de Almeida. No link a seguir uma transcrição de matéria do Jornal da Tarde do ano de 1975 sobre a demolição do edifício. Vale a pena ler o artigo!
CLIQUE AQUI PARA LER
*2 – A Rua Xavier de Toledo anterior chamou-se Rua do Paredão, em referência ao enorme paredão de pedras existente até hoje que evita o desmoronamento da rua sobre a outra que está no canto direito da foto, chamada Quirino de Andrade. A mudança do nome ocorreu em 20 de maio de 1899 para homenagear o governado de Estado que nesta rua residiu.

Sobre o autor

Jornalista, fotógrafo e pesquisador independente, é presidente do Instituto São Paulo Antiga e membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP).

Deixe um comentário!

Comentarios

  • dalva maria ferreira 29/06/2020 at 12:43

    Verdade, Douglas, tudo vai se modificando, nem sempre para melhor. O que restou nessas fotos foi a figueira da Ladeira da Memória. Morei ali perto, e acho tudo um charme. Abraço!

    Reply
  • Marcelo 29/06/2020 at 13:17

    Como se diria, literalmente uma guinada.

    Reply
  • Antonio Costa 29/06/2020 at 13:47

    Não foi uma perda total.  A urbanização dali se deu nas décadas de 40,50 e avançou até um plateau na década de 60.   Você pode denotar isto com alguns edifícios Art Deco no entorno.   A própria Praça Ramos ditaria o que eventualmente e gradualmente se materializaria, com o avanco do adensamento no Centro. Assim mesmo, a area ganhou caracteristicas e charme proprio.

    Agora, quando se fala em bolsões da  Zona Leste, Campos Elíseos, Bom Retiro, Baixo da Bela Vista, ai sim, sao enclaves que valem a pena serem preservados.   Especialmente hoje em dia com a ditadura de mau gosto das fachadas pele de vidro, pasteurizadas e insípidas

    O que a região central padece mesmo , e demais paisagismo inserido.   Mais árvores, mais canteiros, mais vegetação suspensa.   O centro ainda esta muito cinza.  

    Reply
  • Marcos Afp Rodrigues 29/06/2020 at 14:22

    Gostaria de ter acesso a fotos da Rua Sinimbu do passado onde o nome era Rua da Fabrica como fica proximo a oficina de bondes da São Paulo Eletric Railway na Rua do Lavapes, penso que o Museu da Eletricidade deva rter algo sobre aquelas ruas, as fotos ja publicadas tenho todas preciso de outras, morei na rua por 10 anos nos anos 60 e 70 ali estava a casa de Janio Quadros quando era professor da Dante Aliguieri….Grato

    Reply
  • Alexandre Giesbrecht 29/06/2020 at 15:22

    O prédio ao centro da foto de 1926 foi demolido em 1975, para dar lugar a uma das saídas da Estação Anhangabaú. É este prédio aqui: https://medium.com/@historiassp/v%C3%A3o-demolir-o-pr%C3%A9dio-osvaldo-n%C3%A3o-acredita-4374103c5071

    Reply
  • ANA Lucia 29/06/2020 at 21:04

    Meu sogro tinha um consultório dentário num prédio na Cel. Xavier de Toledo, esquina com a 7 de abril.

    Reply
  • Alessandro Marroncelli 29/06/2020 at 22:31

    Parabéns Douglas excelente trabalho.
    É muito bom ver a antiga São Paulo.

    Reply
  • Inês 30/06/2020 at 10:53

    Ótima matéria para quem conheceu e também para quem conhece agora. Sou curiosa e procurei a foto da moça , grande amor do citado, mas não vi. Sou uma romântica e nessa época o romantismo era diferenciado. Parabéns !0

    Reply
  • Patrick Schio 05/07/2020 at 20:55

    Fiquei pensando sobre a calçada estreita na primeira foto. Irônico uma avenida tão larga para uma cidade em que haviam pouquíssimos carros, e onde ainda se podia fazer tudo a pé, porque a cidade, além de ser bem menor, concentrava todas as suas atividades no centro. No mais, belo registro, e parabéns mais uma vez pela excelência neste trabalho.

    Reply
%d blogueiros gostam disto: